Cuidando!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Estamos na primeira semana de 2018. Já comemoramos a passagem de ano, fizemos nossos planos, assumimos compromissos, pessoais e coletivos, em vista do ano que se inicia. Tudo isto é muito bom. Diz respeito a dinâmica da vida. É o nosso fluxo vital que continua intenso. Quem planeja, se compromete, se organiza; diz que quer continuar caminhando. Apesar das dificuldades, problemas e superações necessárias, sigamos nosso caminho. É dialética da vida que segue com momentos de turbulência e momentos de calmaria, tranquilidade; e certamente crescimento pessoal.

Além da necessidade de avançarmos no ciclo da vida, é importante assumirmos alguns princípios. Neste ano, tenhamos presente a dimensão do cuidado. O termo cuidado se origina da palavra latina cogitare, que implica em reflexão, planejamento, organização.  Também tem a ver com cura, ou seja, a atenção ao corpo e ao espirito em perspectiva pessoal. Se amplia para a atenção e carinho com quem está ao redor, sobretudo quando necessitado.  Assumamos a dimensão do cuidado como a atenção necessária a alguém.

De quem?

Primeiramente de nós mesmos. Aqui, da pessoa, do indivíduo. É o cuidado pessoal que implica na autoestima, no querer-se bem, no zelo. Cuidado pessoal porque somos filhos de Deus (1Jo, 3,2) além de criaturas. Alguém nos criou por amor. Também porque estamos inseridos em uma teia de relações na qual somos importantes. O cuidado pessoal é responsabilidade conosco e com as pessoas que nos amam e querem o nosso bem. Não é um cuidado egoísta, fechado. É sóbrio e lúcido porque a pessoa considera o seu valor e sua dignidade no mundo sem estar fechada em si mesma.  

Estende-se o cuidado a quem está mais próximo, à família, com certeza mediado pelo amor. É mais exigente porque se depara com outra vontade, com a liberdade da outra pessoa; por ali perpassa o afeto, atenção, a boa palavra, mesmo com as conflitividades da relação familiar. Não é bom deixar um familiar sofrer por falta de cuidado. Este compreende o gesto, a palavra, o olhar.  Não esqueçamos neste ano de cuidar da família. Pode não ser a ideal, mas é a nossa família. Lembremos também de nossos amigos e amigas, preciosidades que Deus colocou no caminho. O Mestre de Nazaré ensinou o como é importante cuidarmos dos amigos. Ele fazia isto com esmero, colocando a pessoa humana acima de tudo.   

Amplia-se para o cuidado ao lugar onde moramos, seja bairro, cidade. O mundo não se encerra dentro da casa, no espaço de vida familiar.  Aqui surge a dimensão da cidadania, o agir cidadão, a preocupação com o nosso lugar de vida.

Indo além ver-se-á o cuidado com a nossa casa comum, o nosso Planeta, aliás, ultimamente vítima do descuido (ausência de cuidado) em nome de outras prioridades. Lembremos que Deus nos fez zeladores e cuidadores do mundo criado (cf. Gn 2,15). Cuidar da casa comum eis outra tarefa, grave e urgente.

Entremos neste novo ano assumindo o compromisso de cuidadores. Certamente será um ano mais leve, mais humano, mais cristão.

Pe Ari Antônio dos Reis  

Leia Também 11º Domingo do Tempo Comum. Programa Sustentabilidade Ambiental Empresarial será lançado pela ACISA Cuidado com o crime digital As pequenas ações