Estado confirma pagamento de reajuste ao completivo do magistério

Compartilhe

O governador José Ivo Sartori confirmou, nessa quarta-feira (3), que o Estado vai atualizar o valor da parcela completiva em 2018, acompanhando a correção de 6,81% definida para o Piso Nacional do Magistério, que, a partir deste mês, será de R$ 2.455,35. Ao todo, serão 57.786 matrículas com carga de 40 horas semanais atingidas pela medida, o que representa 35,6% da categoria. 

A confirmação ocorreu após reunião do governador com o secretário da Fazenda, Giovani Feltes. Na comparação com 2017, o reajuste do Piso Salarial representa um acréscimo de R$ 82 milhões nos gastos com a folha de pagamento dos professores. No ano passado, eram 31.614 profissionais que recebiam o valor de complemento.

Categoria mais expressiva do serviço público estadual, o Magistério reúne 162.350 matrículas (entre professores ativos, inativos e temporários), o que representa uma folha mensal ao redor de R$ 480 milhões. Dois terços dos professores têm remuneração mensal acima do Piso Nacional

Desde sua implantação, ainda em 2009, o Piso do Magistério somou até agora uma correção de 158,46%. Neste mesmo período, os principais indicadores oficias da inflação, como o IPCA, acumularam em média 69,84%, com um ganho real no piso de 46,61%.

 

Impacto de R$ 5,59 bilhões

Caso o novo valor fosse adotado para todos os professores com base no atual Plano de Carreira do Magistério Estadual, o impacto anual seria de R$ 5,59 bilhões. Esse valor se somaria a um passivo, que a Fazenda calcula em R$ 22,4 bilhões, acumulado pelo Estado por não atender à legislação federal sobre o Piso do Magistério.

Em vigor deste abril de 2012, o completivo é utilizado para complementar a renumeração dos professores que não recebem o mínimo fixado pelo Ministério da Educação. Até o mês passado, o valor do piso era R$ 2.298,80.


________________

Fonte: Ascom Sefaz

Leia Também Pais fazem filas para garantir matrículas na EMEI Santa Maria Inscrições para vestibular da UFRGS começam nesta segunda MEC pede mudança no horário de verão por causa do Enem Alunos da educação infantil imersos no mundo das artes