Saída de ministros é manobra comum para futuros candidatos

Compartilhe
O professor do Instituto de Ciência Política da UnB, Ricardo Caldas, explica que essa é uma manobra política considerada normal para quem quer se candidatar.

“Muitos ministros têm esta intenção de se tornar parlamentares. Alguns já são. E os que não são, eles querem ter o mandato. Então, muitos deles já estão anunciando, preventivamente, que pretendem deixar o cargo, até para permitir que o presidente escolher uma outra pessoa para o cargo. Então eu diria que isto é normal.”

Em meio a toda essa jogada política por parte dos ministros, o presidente da República, Michel Temer, anunciou que vai pensar em nomes de pessoas que não têm a intenção de concorrer às eleições. E, para o professor Ricardo Caldas, a decisão de Temer está correta.

“O presidente Temer, por sua vez, anunciou que agora só pretende colocar substitutos pessoas que tenham a intenção de não concorrer, o que eu acho que é uma decisão, na minha opinião, acertada, para evitar a nomeação e a pessoa sair um mês, ou dois meses, ou três meses depois.”

Outros ministros também podem seguir o mesmo caminho de deixar os cargos. É o caso de Raul Jungmann, da Defesa; Fernando Coelho Filho, de Minas e Energia; Leonardo Picciani, do Esporte; Mendonça Filho, da Educação; Maurício Quintella, dos Transportes; Marx Beltrão, do Turismo; e Sarney Filho, do Meio Ambiente.

Quem pretende concorrer aos cargos eletivos deve se filiar a um partido político até o dia 7 de abril, ou seja, seis meses antes da data das eleições. O mesmo prazo é dado para obtenção junto à Justiça Eleitoral do registro dos estatutos dos partidos políticos que pretendem entrar na disputa.

Já o dia 9 de maio vai ser a última data para o eleitor que pretende votar requerer o título, alterar seus dados cadastrais ou fazer a transferência do domicílio eleitoral. Também é o prazo final para o eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida solicitar sua transferência para seção com acessibilidade e, ainda, para que presos provisórios e adolescentes internados possam regularizar a situação eleitoral a fim de votarem nas Eleições de 2018.

___________________

Fonte: Agência do Rádio

Leia Também Câmara aprova índice de revisão geral de 2,84% para o Executivo Passo Fundo é destaque em prêmio de gestões inovadoras Senado aprova projeto que obriga escolas a combaterem bullying Vereador Tchêquinho sugere leitura compartilhada nas paradas de ônibus