Já ouviu falar da campanha “Janeiro Branco”?

Compartilhe

Desde 2014, uma campanha muito interessante vem sendo realizada: trata-se do Janeiro Branco, que busca mobilizar a sociedade em favor da Saúde Mental. Com o tema “quem cuida da mente, cuida da vida”, essa proposta nos convida a refletirmos sobre como estamos cuidando da nossa saúde mental.

O mês de janeiro foi escolhido para a campanha por ser o momento em que as pessoas comumente repensam suas ações e fazem novos planos. Dessa forma, a cor branca também pode simbolizar a capacidade do ser humano de escrever sua história, tendo uma folha em branco, ou seja, um ano inteiro de possibilidades para agir em direção aos cuidados com sua saúde mental.

Assim como cuidamos da nossa saúde física, também necessitamos estar comprometidos com a nossa saúde mental, pois ela tem grande influência no nosso bem-estar. Sempre é bom lembrar que estar saudável não é apenas a ausência de alguma doença, mas sim a conexão entre o bem-estar físico, mental e social, conforme a definição da Organização Mundial da Saúde.

Se você também quer fazer parte dessa rede de cuidado com a mente e com a vida, pode começar se questionando sobre como está a sua saúde mental. Precisamos cada vez mais quebrar os preconceitos de que “quem vai no psicólogo é louco” ou que “depressão é frescura”. A verdade é que quem busca o psicólogo está comprometido com a sua saúde. Por sua vez, quem possui depressão ou outro transtorno psiquiátrico não tem "frescura" e sim a necessidade de um tratamento adequado por parte do psicólogo e demais profissionais da saúde mental. Quanto mais desfizermos preconceitos e mais conscientes estivermos sobre a importância de cuidarmos da nossa saúde mental, mais estaremos contribuindo para o nosso bem-estar, repercutindo também na sociedade.

Que em janeiro e nos demais meses estejamos comprometidos com a nossa saúde mental. Que saibamos nos colocarmos no lugar das outras pessoas ao invés de julgá-las. Que possamos auxiliar as pessoas ao nosso redor, incentivando-as a buscar auxílio quando necessário. Que ao invés de preconceito, tenhamos conhecimento. Que possamos olhar para os nossos hábitos diários e percebermos se estamos agindo em favor da nossa saúde mental. Que saibamos que temos o direito de buscar um profissional da saúde mental. Que façamos de 2018 uma nova página a ser escrita na nossa história, repleta de cuidado consigo e com o próximo.

Leia Também 25º Domingo do Tempo Comum. Municípios devem participar do censo SUAS O político honesto e seu Fusca. Uma incrível história real. Sabedoria