Câncer de Pâncreas: Detecção Precoce

Postado por: Jorge Carlotto

Compartilhe

O câncer de pâncreas é difícil de ser diagnosticado precocemente. Os pacientes geralmente não apresentam sintomas até que a doença já tenha se disseminado para outros órgãos.

Os exames de rastreamento são utilizados para verificar a possibilidade de uma pessoa assintomática ter determinada doença. Atualmente, não existem exames de rastreamento para o câncer de pâncreas em pessoas que não pertencem ao grupo de risco para a doença. Este fato porque nenhum exame de rastreamento se mostrou eficaz para diminuir o risco de morte por este tipo de câncer.

Algumas vezes, os níveis de determinadas proteínas no sangue estão elevados em pessoas com câncer de pâncreas. Estas proteínas, conhecidas como marcadores tumorais, podem ser detectadas em exames de sangue. Os marcadores tumorais CA 19-9 e o antígeno carcinoembrionário (CEA) são os mais estreitamente ligados ao câncer de pâncreas. Mas, estas proteínas nem sempre estão elevadas em pacientes com câncer de pâncreas, e mesmo que estivessem, a doença muitas vezes já se encontra avançada quando isto ocorre. Por outro lado, às vezes, os níveis destes marcadores podem estar aumentados sem que a pessoa tenha a doença. Por esta razão, os exames de sangue não são utilizados para diagnóstico de câncer de pâncreas, embora o médico ainda possa solicitar esses exames se uma pessoa apresenta sintomas que possam sugerir câncer de pâncreas.

Algumas pessoas podem ter um risco aumentado de desenvolver câncer de pâncreas em função do histórico familiar da doença (ou um histórico familiar de determinados tipos de câncer). Saber se você tem (ou não) um risco aumentado pode ajudar você e seu médico a decidirem o momento de iniciar os exames para diagnosticar um câncer de pâncreas precocemente, quando a doença poderia ser mais fácil de ser tratada.

Acredita-se que as mutações genéticas hereditárias aumentam o risco de câncer de pâncreas. Algumas destas alterações podem ser investigadas, mas determinar se alguém tem um risco aumentado para a doença não é algo simples. Conversar com um especialista em síndromes hereditárias de câncer, pode ser útil.

É importante entender que esses testes são utilizados ?para diagnosticar determinadas condições hereditárias e não o câncer de pâncreas propriamente dito. O risco de ter a doença pode aumentar se você tiver determinada condição genéticas, mas isso não significa que você tem (ou irá ter) câncer de pâncreas.

Para as pessoas de famílias com alto risco de câncer de pâncreas, os exames mais recentes para a detecção precoce do câncer de pâncreas, como a ressonância nuclear magnética e o ultrassom endoscópio, podem ser úteis. Estes exames não são utilizados para rastrear o público em geral, mas pode ser utilizado para alguém com um forte histórico familiar de câncer de pâncreas ou com uma síndrome genética conhecida que aumenta o seu risco. Os pesquisadores estão avaliando novos exames para tentar diagnosticar o câncer de pâncreas mais precocemente.

Na próxima semana, conversaremos sobre seu estadiamento. Até logo e uma ótima semana a todos!

Leia Também Vereador Ronaldo Rosa propõe indicações para melhorar segurança no trânsito Programa de incentivo ao esporte amador tem criação aprovada José Dirceu tem até 17h para se entregar à Polícia Federal Neckle faz explanação sobre trabalhos do Legislativo