Investimento de R$ 6 milhões para o Presídio de Passo Fundo

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Seria mais importante para a sociedade se os investimentos públicos fossem direcionados para a construção de escolas e promoção de iniciativas que qualifiquem a vida humana, porém dentro da realidade social que vivemos, não podemos ignorar a importância de se investir em presídios. Mesmo após ter cometido crime, a pessoa tem direito a uma segunda chance de voltar a ser útil a família e a sociedade, porém nas condições atuais do sistema carcerário, isso só acontece por milagre. Então, a notícia de que o Presídio Regional de Passo Fundo deverá receber um investimento de R$ 6 milhões, em 2018, para reformas e ampliação, é muito boa. O projeto está pronto, os recursos previstos no orçamento do Estado, restando agora algumas liberações burocráticas para a execução.

 

Sindicato dos Vigilantes a deriva

A categoria dos Vigilantes de Passo Fundo e região decidiu, em assembleia, afastar o presidente e o tesoureiro das suas funções, até que alguns mal entendidos financeiros sejam esclarecidos. O presidente recebeu, em nome do Sindicato um valor interessante, referente a uma massa falida. Segundo o Conselho fiscal, metade do dinheiro depositou na conta da entidade e outra parte na sua conta particular. Quem deve dizer se esta conduta é correta ou não é a Justiça, mas esta atitude do presidente levantou suspeita e a categoria se revoltou ao descobrir. O importante é que tudo seja resolvido o mais rápido possível e que o Sindicato volte a ter o respaldo tradicional para bem representar os trabalhadores.

 

A polêmica dos quebra-molas

A quantidade de pedidos de colocação de quebra-molas na cidade é impressionante. São mais de 200 pedidos na Secretaria de Segurança. Como a maioria das ruas de Passo Fundo é asfaltada, os motoristas aproveitam para correr mais, colocando em risco principalmente a vida dos pedestres. Neste ponto os quebra-molas ajudam muito. Por outro lado, além de estarem restritas no Código de Trânsito, as lombadas prejudicam as ambulâncias e veículos da polícia, na hora de um socorro ou de atendimento de ocorrência. Afinal, o que é melhor, como ou sem quebra-molas nas ruas da cidade? Eis a questão.

 

Dizem por aí... Que o Presídio Estadual entre Passo Fundo e Carazinho não saiu mesmo por falta de vontade política de gente influente no Governo do Estado. Será verdade?

Leia Também Não ter passagem na polícia é apenas um detalhe País vai parar em 2018 Cobra de estimação A hora dos fogos de artifícios