Barragem do Capingüi está secando e peixes estão morrendo

Compartilhe

A Barragem do Capingüi está com um dos seus níveis de água mais baixos dos últimos anos. Diferente da Barragem de Ernestina que mantém o seu manancial, a do Capingüi não tem estabilidade em seu reservatório. Em determinadas épocas do ano, a CEEE utiliza maior quantidade de água para mover suas turbinas e combinado com pouca, chuva o lago esvazia. Esse ano, no entanto, o nível é um dos mais baixos dos últimos anos.

A consequência, é a mortandade de peixes que ficam isolados em pequenos poços de água e depois morrem por falta de oxigênio.

Esse problema já foi pauta de reuniões de proprietários de terrenos das margens do lago, no auditório da prefeitura de Mato Castelhano. Há entendimento de que o potencial da barragem para geração de energia pouco significativo. Seria melhor deixá-lo como manancial de água limpa. Diferente de outras barragens, a do Capingüi tem água limpa pelas grandes áreas de preservação ambiental que existem ao redor. No lado de Mato Castelhano, a maior parte é protegida pelas florestas do Instituto Chico Mendes (antigo Ibama).

Leia Também Acidentes de trânsito provocados por animais soltos na via Chuva volta ao Rio Grande do Sul nesta sexta CDL nos Bairros aborda estratégias de marketing CDL reúne empresários para tratar sobre o comércio ilegal