Conheça os 21 bloqueadores da criatividade e fuja deles – Episódio I

Compartilhe

Partindo da ideia já apresentada no Podcast sobre criatividade (http://papodeprofessor.com/pdp32-criatividade), que todos podemos ser mais criativos e com isso mais felizes, bastando exercitar essa fantástica musculatura do nosso processo criativo, iniciaremos aqui uma série sobre as atitudes do nosso cotidiano, que bloqueiam ou limitam nossa criatividade.

O pesquisador norte-americano Alvin Simberg, é o criador da teoria dos bloqueios da criatividade, que são divididos em Bloqueios Perceptivos, Bloqueios Culturais e Bloqueios Emocionais, sendo que todos tem alto potencial para diminuir e vaporizar o nosso potencial criativo, tanto nas coisas simples do cotidiano, quanto em situações complexas da vida e do nosso trabalho.

Nessa primeira parte, iremos apresentar os primeiros 3 bloqueadores perceptivos, que segundo o autor, são os mais frustrantes e limitadores, pois nos levam a criar uma espécie de miopia perceptiva das situações do nosso redor, pois sequer conseguimos nos dar conta de que existem e de quais são os problemas. Etimologicamente, essa é a definição da palavra “ignorante”: aquele que desconhece e/ou não percebe a existência de algo. Vamos aos bloqueadores:

1 - Dificuldade para isolar um problema: essa é a dificuldade do indivíduo que não consegue separar o problema em questão, dos demais ao qual está relacionado. No exemplo do autor, é como quando um médico trata os sintomas, ao invés de sua causa principal. Como escapar desse bloqueador? Que tal, se ao invés de dar um veredito antecipado, nós usássemos a estratégia dos “5 porques”?

Como minimizar? Acesse o site https://www.citisystems.com.br/5-porques-causa-raiz/ e conheça a estratégia dos “5 porques”, que é uma ferramenta simples para resolução de problemas que pode ter um impacto drástico no sentido de ajudar a descobrir a causa raiz dos mesmos.

2 - Limitação excessiva do problema: diferente da limitação anterior, essa é a dificuldade do indivíduo que tem um alto foco pontual no problema, e não consegue construir uma visão sistêmica do cenário do mesmo. Muitas vezes, técnicos altamente especializados e pesquisadores, tem um modelo mental muito focado em seu universo que não consegue perceber as relações com o mundo real, se fecham em um modelo endógeno, tendo dificuldade de cocriar e se relacionar com outras áreas, o que é obrigatório hoje, no nosso mundo complexo e altamente competitivo. Como fugir da endogenia?

Como minimizar? Que tal se você buscasse novas redes de conhecimento e relacionamento? Ler e estudar sobre áreas de conhecimento diferentes, escutar podcasts com conteúdos ricos, mas incomuns para o seu cotidiano, participar de grupos de estudo ou discussão em áreas que você não domina, ou simplesmente escutar com atenção as pessoas com visões diferentes da sua? Aplicar o que é conhecido como a teoria da “Força dos laços fracos” de Mark Granovetterhttps://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/download/5336/7580, onde a abertura para novas redes sociais, tem papel preponderante no avanço humano e científico.

3 – Dificuldade para definir terminologia: partindo da lógica que comunicação é a base da compreensão, a linguagem tem papel de traduzir ideias em sentidos, que podem e serão diferentes para cada pessoa. Um grupo que não compreende um problema, não terá assertividade para definir, sequer resolver um problema. Coo se comunicar melhor?

Como minimizar? Existem vários métodos e conteúdos riquíssimos sobre comunicação eficiente, entre eles, o artigo “Os 6 pilares da comunicação eficiente” http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/os-6-pilares-da-comunicacao-eficiente/84509/, que propõe um fórmula baseada em Assertividade, Autenticidade, Mente Aberta, Empatia, Clareza e Capacidade de ouvir.

Nos próximos episódios, apresentaremos os demais bloqueadores da criatividade, que podem impactar negativamente na sua capacidade de criar e inovar no seutrabalho e no cotidiano. Se você curtiu esse formato de matéria que mescla pesquisa cientifica com propostas práticas de soluções de problemas, comente e faça sua sugestão :-)

Amilton Rodrigo de Quadros Martins é educador e líder do InovaEdu IMED – Laboratório de Ciência e Inovação para a Educação

 

Leia Também O cão, o trigo e o Fusca Não incide IOF sobre fluxo financeiro em participação em sociedade “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz” Solução para o atraso