Tráfico de Animais Silvestres

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe

O Brasil possui uma imensa biodiversidade de peixes, aves, insetos, mamíferos, répteis, anfíbios e outros animais, sendo por esse motivo um dos principais alvos para o tráfico de animais silvestres, um mercado ilegal que de acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas) é uma das atividades ilícitas mais lucrativas do planeta, perdendo apenas para o tráfico de drogas e de armas, movimentando mais de US$10 bilhões por ano, sendo somente no Brasil, cerca de US$1 a 1,5 bilhões por ano.

Para abastecer esse mercado ilegal, animais são capturados e retirados da natureza onde através de maus tratos são transportados a cativeiros para sua posterior venda. Esse processo é extremamente cruel, fazendo com que a cada 10 animais capturados, 9 acabem morrendo, provocando um grande desequilíbrio ambiental, aumentando o risco de extinção de animais que já estão ameaçados.

O tráfico de animais que ocorre para fora e dentro do país, somado a ações antrópicas, desmatamentos, poluição, alertam ainda mais sobre o perigo de extinção de determinadas espécies. As aves correspondem a maior parte dos animais contrabandeados, podendo um exemplar custar cerca de U$30 mil, sendo a Europa, América do Norte e Ásia, as principais rotas para o exterior.

O tráfico interno envolve um grande número de pessoas. Os animais são capturados ou caçados no norte, nordeste e pantanal, geralmente por pessoas muito pobres e passam por intermediários para serem vendidos principalmente no eixo Rio São Paulo. Os destinos dos animais são diversos, desde pet shops, colecionadores que priorizam as espécies raras e ameaçadas de extinção e para fins científicos como cobras, sapos, aranhas e outros.

O Tráfico de animais silvestres no Brasil é Crime Ambiental, porém a falta de fiscalização aliada a flexibilização da legislação que permite o pagamento de fiança, faz com que aumente cada vez mais a prática dessa atividade ilícita.

Importante ressaltar que o tráfico de animais não diz respeito apenas a animais vivos, pois muitos são mortos e usados para a venda da pele, couro, carne, etc... Mas a sociedade através da consciência adquirida pelo conhecimento e acesso a informação, pode contribuir de maneira positiva  para que o tráfico de animais perca forças e acabe inexistindo, não compactuando com a compra de animais, solicitando e verificando a certificação da origem dos animais e também denunciando aos órgãos fiscalizadores essas práticas ilegais, gananciosas e de maus tratos.

É preciso que a sociedade em geral tenha a consciência de que o local desses animais é na natureza, livres, não em gaiolas com asas cortadas, não como cobaias de estimação. Se você ama os animais não compactue com essa rede ilegal, denuncie aos órgãos fiscalizadores, pois se não há quem compre, não há quem venda.

Leia Também 11º Domingo do Tempo Comum. Programa Sustentabilidade Ambiental Empresarial será lançado pela ACISA Cuidado com o crime digital As pequenas ações