Uso contínuo de descongestionantes nasais traz riscos à saúde

Compartilhe

 

Recorrer aos descongestionantes nasais, principalmente nos dias de baixa umidade do ar ou de longa exposição ao ar condicionado, é a alternativa encontrada por muitas pessoas para alívio do incômodo causado pelo nariz entupido. Porém, a automedicação pode causar alguns efeitos indesejados ao organismo.

A médica otorrinolaringologista, que atua no Hospital da Cidade (HC), Dra.Thaís Marques da Costa alerta sobre o uso contínuo e indevido dos descongestionantes: “O uso abusivo dos descongestionantes nasais (medicamentos a base de nafazolina, fenoxazolina e oximetazolina) pode ser perigoso. A medicação proporciona alívio imediato na sensação de nariz entupido, desobstruindo as vias e dando uma sensação de bem-estar instantâneo, sendo indicadas em casos agudos de gripes, sinusites e resfriados. Mas, a longo prazo pode ter consequências a saúde.” enfatiza.

Parte das substâncias vasoconstritoras, que fazem parte da composição do medicamento são absorvidas pelo organismo e podem chegar ao sistema cardiovascular. “O nariz é muito vascularizado, quando entope há dilatação dos vasos, dificultando a respiração, e essas gotinhas têm efeito vasoconstritor, isto é, fazem com que os vasos sanguíneos do nariz desinchem. Mas, com o passar do tempo, a mucosa nasal passa a absorver a substância vasoconstritora e isso vai para a corrente sanguínea, o que impacta em riscos cardiovasculares, como taquicardia, elevação da pressão arterial e trombose.” esclarece a especialista.

A otorrinolaringologista esclarece ainda outros riscos que o uso de descongestionantes sem orientação médica pode causar: “Seu uso em excesso também pode ocasionar  lesões  na mucosa nasal como perfuração septal, perda do olfato e rinite medicamentosa. Ao repetir esse mecanismo diversas vezes, o vasos começam a não responder mais como deveriam e o usuário precisa usar com mais frequência as gotinhas,  gerando uma dependência do medicamento.” pontua. Segundo pesquisa realizada pelo Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas de São Paulo, os descongestionantes nasais ocupam o terceiro lugar entre os medicamentos de venda livre que trazem mais complicações ao organismo, depois dos anti-inflamatórios e dos analgésicos. Além disso, a congestão nasal pode ser sinal indicativo de outros problemas de saúde e identificar sua causa é fundamental para o tratamento eficaz.

Existem outras alternativas para o alívio da congestão nasal, mantendo, por exemplo, a hidratação nasal e eliminando micro-organismos que podem ser nocivos à mucosa, conforme aponta Dra. Thaís: “Para evitar o uso desnecessário dos descongestionantes, faça a higiene nasal com soro fisiológico a 0,9%, que não possui efeitos colaterais. Caso não apresente melhora no quadro, consulte com o seu otorrinolaringologista.” orienta.


Fonte: Assessoria Hospital da Cidade

Leia Também Enfermagem: Cuidado e segurança como essências Maio Roxo: conscientização sobre doenças inflamatórias intestinais HSVP divulga nota sobre Operação da Polícia Federal "Minha História" vai contar trajetória centenária do HSVP