Sentimentos de igualdade

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

Ao visitar a sepultura de uma pessoa amiga, falecida há pouco tempo, da qual não pude participar do enterro, encontrei-me ali com uma senhora de idade que sempre ajudava nossos seminaristas e nosso seminário. Depois de por em dia as novidades, perguntei-lhe:

- Veio rezar por uma pessoa falecida?

- Sim! E trouxe junto três netos, que estão passeando na casa da avó. Dois meninos de oito anos e uma menina, de sete.

- E eles estão aqui? – continuei o diálogo.

- Sim! Estavam aqui comigo. E aonde foram? – continuou a perguntar-se para si mesma.

E começou a caminhar procurando avistá-los entre as fileiras de jazigos e túmulos. E ao avistá-los, reparou que eles corriam de um túmulo a outro, com vasos de flores em suas mãos. Chamou-os junto a si, apresentou-os ao padre e perguntou-lhes:

- O que estavam fazendo com as flores?

E um menino logo respondeu:

- Ah vó! Nós estávamos distribuindo dois vasos de flores para cada um, porque uns tinham bastante e outros nada.

E a netinha logo acrescentou:

- Dizem que no cemitério, todos são iguais. E como é que uns têm mais flores do que outros? Não está certo!

E a avó ficou admirada com o gesto dos pequenos, que cultivavam em seus corações sentimentos de igualdade, sem resquícios de discriminação e acúmulo de bens.

Sabe-se que ninguém leva nada deste mundo. Todavia, as pessoas vivem como se o capital acumulado aqui na terra tivesse consideração lá no céu. A prosperidade na terra não é nenhuma predileção de Deus, nem indicação de pessoa bem-amada. Deus recompensa as pessoas olhando para o coração, pelo grau de amor que conseguiu alcançar e pelo bem que fez aos outros.

 *A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

Leia Também Transtorno de Personalidade Borderline Crescimento, emprego e custos de vida: o governo não entregou o que prometeu Derrota e ensinamentos na Série Prata Alimentos que tiram a fome