Danos ambientais da Barragem do Capingui são discutidos no Parlamento

Compartilhe
Na manhã dessa quinta-feira (22), na Câmara de Vereadores, representantes de Passo Fundo, Marau e Mato Castelhano estiveram reunidos para tratar sobre os possíveis danos ambientais da Barragem do Capingui. O reservatório tem, ao longo do tempo, sofrido com os baixos níveis de água, ação que ocasiona, por exemplo, a morte dos peixes. No Legislativo passo-fundense, a pauta foi apresentada pelo vereador Marcio Patussi (PDT), que reuniu, além dos moradores, Ministério Público e representantes políticos.

Gerida pela Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE), a barragem do Capingui abrange os três municípios da região e, tem registrado oscilação no nível da água, situação que alertou as autoridades. Para os moradores da região, o cenário é ainda mais preocupante. Carlos Augusto Giovanela, reside na área e foi o responsável por mobilizar os vizinhos na busca de uma medida. Para ele, é compreensível que em períodos de estiagem os níveis de água diminuam, porém, como as ocorrências de chuva foram razoáveis na temporada, a situação é preocupante. “Temos observado, o aumento dos peixes mortos, e, na última semana, especialmente peixes de 10 a 20 quilos na margem. Diversos moradores e proprietários de residências da região estão compartilhando imagens dessa situação. Conforme a água vai baixando o nível, os peixes vão ficando presos. É uma imagem muito triste”, mencionou.

A mobilização de moradores dos três municípios, levou Marcio Patussi (PDT), a ampliar as discussões junto à Câmara de Vereadores, fortalecendo o movimento. Segundo o parlamentar, o grupo vai provocar a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) para que interceda junto à CEEE. “Esse movimento vai buscar junto à Fepam, que é quem licencia a operação para a CEEE, que isso possa ser efetivamente alterado e a gente consiga, então, ter a preservação do ecossistema, evitar a mortandade de peixes como já foi verificado, e, também, criar um grande potencial de lazer e recreação”, avaliou Patussi.

A situação, que já é recorrente, é acompanhada pelo Ministério Público. O promotor de Justiça, Paulo Cirne, lembrou que a Fepam já foi notificada da condição da barragem. “O Ministério Público luta há muito tempo para que a Fepam revise a forma da CEEE operar aquele local, evitando que isso aconteça”, pontuou, esclarecendo que mesmo que a empresa respeite a licença em vigor, os níveis de água continuam sendo prejudicados. “O que nós queremos é que a licença mude e restrinja a forma de operação da CEEE, modifique essa operação para que isso não aconteça novamente”, sinalizou.

Uma alternativa para a alteração da licença concedida à empresa, é, conforme o promotor, através de uma ação judicial, porém a medida retardaria a construção de uma solução ao impasse. “Um processo judicial, sem uma liminar concedida que antecipasse a decisão é algo que pode trazer uma demora muito grande na resolução desse caso. Seria um processo que se arrastaria por muitos anos. Por isso, a importância da pressão da sociedade junto à Fepam, para que faça o que o Ministério Público já vem cobrando, que revise a licença e que possamos evitar esses fatos’, analisou.

Para Patussi, potencializar o movimento dos moradores é imprescindível. “Esse encontro vai produzir uma grande mobilização para que a barragem do Capingui possa voltar aos níveis de água. A operação não está a contento, e, então, vamos primeiro pressionar a Fepam”, informou o vereador. Posteriormente o grupo deve realizar uma audiência pública que envolva, além dos moradores de Passo Fundo, Mato Castelhano e Marau e o Ministério Público, demais os órgãos ambientais, CEEE e Fepam. “De forma colegiada, vamos buscar alternativas para que o Capingui não sofra mais danos ambientais e retome seu potencial de lazer”, citou.  

Os vereadores Alex Necker (PCdoB), Luiz Miguel Scheis (PDT), Mateus Wesp (PSDB), Ronaldo Rosa (SD) e Rudimar dos Santos (PCdoB) também participaram.

Fotos: Comunicação/ Câmara de Vereadores

---

Leia Também GESP apresenta proposta para implantação do Plano Municipal da Mata Atlântica Animais apreendidos recebem tratamento no Hospital Veterinário da UPF Acre decreta estado de emergência por incêndios nas florestas Amazônia brasileira está segura, diz Mourão