O mercado de produtos roubados e furtados

Postado por: Gilnei Fogliarini da Costa

Compartilhe

O crime vem alcançando proporções quase que incontrolável pelas forças de segurança pública, aponta-se diversas causas para o avança da criminalidade, mas já parou para pensar que parte da sociedade também alimenta o crime.

Como exemplo, citamos os furtos e roubos que crescem a cada dia, e este fato ocorre porque há alguém para adquirir seus produtos, o crime acontece porque tem um comércio paralelo interessado em adquirir os objetos mesmo que sejam de origem ilícita. Também o tráfico de drogas se torna um comércio dos produtos ilícitos, onde viciados cometem o roubo e o furto para trocar os produtos por drogas.

Importante lembrar que toda pessoa que adquire produtos ilícitos também é um criminoso, pois incorre no crime de receptação, previsto no artigo 180 do Código Penal Brasileiro: aquele que adquirir, receber, transportar, conduzir ou ocultar produtos de crimes está sujeita a uma pena de um a quatro anos de reclusão, além de multa.

Este comércio clandestino muitas vezes se torna tentador para muitas pessoas, pois oferecem objetos por valor muito inferior ao de mercado, o que torna aparentemente vantajoso, mas será que vale à pena? Já parou para pensar que alguém foi vítima para aquele produto chegar até você, que você pode ser a próxima vítima desse próprio produto?

Lembre-se, quando você compra qualquer produto de origem duvidosa está alimentando a incessante roda da criminalidade, estará incentivando o ladrão ou usuário de drogas a continuar cometendo delitos. Vamos nos salvaguardar e ceifar os crimes de furto e roubo, quando estiver em busca de um produto certifique-se que o vendedor é confiável, exija a nota fiscal, e denuncie, não se cale diante do crime.

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.


Leia Também Precisamos ser competitivos Alimentação durante o tratamento da infecção urinária Estado falha e municípios pagam a conta da saúde O cão, o trigo e o Fusca