Câncer de vesícula biliar – tratamento

Postado por: Jorge Carlotto

Compartilhe

Tratamento do câncer de vesícula biliar depende principalmente do estágio do câncer e o grau. O tratamento depende, também, da saúde geral do paciente.

A cirurgia é o principal método de tratamento em estágios iniciais. O tratamento também pode ser seguido com radioterapia. Existem dois tipos de procedimentos cirúrgicos para o câncer de vesícula biliar: a cirurgia potencialmente curativa e a paliativa.

Cirurgia Potencialmente Curativa: É realizada quando os exames de imagem ou os resultados de cirurgias anteriores mostram que existe uma boa chance do cirurgião retirar todo o tumor. Os tumores podem ser descritos como ressecáveis, quando podem ser completamente removidos por cirurgia, e irressecáveis, aqueles que se disseminaram para outros órgãos ou são muito difíceis de serem completamente retirados por cirurgia. Infelizmente, apenas uma pequena parte dos cânceres de vesícula biliar é ressecável quando é diagnosticado.

Cirurgia Paliativa: É realizada para aliviar sintomas como dor ou prevenir complicações, como obstrução das vias biliares, em casos em que o tumor está muito disseminado para ser removido completamente.

A cirurgia do câncer de vesícula biliar pode ter importantes efeitos colaterais e, dependendo de sua extensão podem ser necessárias várias semanas para a recuperação. Pacientes cujo câncer não pode ser curado devem ponderar os prós e contras da cirurgia ou de outros tratamentos que exigem um longo tempo de recuperação. É sempre importante compreender o objetivo de qualquer cirurgia para o câncer de vesícula biliar, seus riscos e benefícios, bem como se a cirurgia é susceptível de afetar sua qualidade de vida.

Colecistectomia Radical: Muitas vezes para evitar uma recidiva da doença é preciso realizar uma cirurgia mais extensa, denominada colecistectomia radical, que é feita na maioria dos casos de câncer de vesícula biliar. A extensão dessa cirurgia depende da localização do tumor e sua disseminação. No mínimo, numa colecistectomia radical são retirados a vesícula biliar, parte do fígado e todos os gânglios linfáticos próximos. Se o cirurgião perceber que é necessário e o paciente estiver em boas condições de saúde geral, pode também ser retirados um ou mais órgãos.

Os riscos e os efeitos colaterais da cirurgia dependem em grande parte da quantidade de tecido retirado e do estado geral de saúde do paciente antes da cirurgia. Toda cirurgia acarreta alguns riscos, incluindo a possibilidade de hemorragia, infecções, complicações anestésicas e pneumonia. A colecistectomia radical é uma cirurgia maior onde podem ser retirados vários órgãos. Isso pode ter um efeito significativo na recuperação cirúrgica. Como a maior parte dos órgãos estão envolvidos na digestão, a alimentação poderá ser um problema durante algum tempo após o procedimento.

Quimioterapia: A quimioterapia utiliza medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais. Por ser um tratamento sistêmico, a quimioterapia atinge não somente as células cancerígenas, mas também as células sadias do organismo. De forma geral, a quimioterapia é administrada por via venosa, embora alguns quimioterápicos possam ser administrados por via oral.

Para os tumores de vesícula biliar operáveis, a quimioterapia pode ser realizada após a cirurgia, muitas vezes junto com a radioterapia, para tentar diminuir o risco de recidiva. Esse procedimento é denominado tratamento adjuvante. A quimioterapia também pode ser realizada com ou sem radioterapia para cânceres avançados, com o objetivo de ajudar a reduzir ou retardar o crescimento dos tumores. Isso pode ajudar a aliviar os sintomas da doença e ajudar os pacientes a viverem melhor e por mais tempo.

A quimioterapia é administrada em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso, para permitir que o corpo possa se recuperar. Cada ciclo de quimioterapia dura em geral algumas semanas.

Na próxima semana, conversaremos sobre câncer de estômago. Até logo!

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

 

Leia Também Gaúcho “cento por cento” Gaúcho em primeiro turno impecável Hérnia Inguinal – Tratamento Aproveite o inverno para emagrecer