A valorização da música gaúcha

Postado por: Isadora Fochi

Compartilhe

A música gaúcha vem sendo composta há muitos anos, retratando em suas letras o carinho, o amor e o orgulho que o gaúcho tem. Genuinamente nossa, a música gaúcha hoje se faz presente no cotidiano as pessoas, talvez de uma forma mais restrita, mas ainda é muito admirada pelas pessoas.

Pensando na presença da música regional e a implantação da presença da mesma em rádios, o MTG promoveu no dia 8 de Fevereiro uma reunião com músicos, produtores culturais e diretores de rádioweb, para forjarem medidas que culminem na maior ocorrência das músicas no dia-a-dia de todos. Uma vez que é importante que estas músicas sejam valorizadas e ouvidas o ano inteiro e não somente no mês farroupilha, o Presidente do MTG, Sr. Nairo Callegaro disse “Estamos a cada dia sofrendo mais a influência de outros estilos musicais e, enquanto entidade, vamos trabalhar para que a música siga o exemplo de outras áreas, hoje muito valorizadas, como por exemplo a dança e as provas campeiras”. Tornando a aproximação com os músicos fundamental para que esse objetivo seja alcançado, além de atuar diretamente nos meios de divulgação e propagação da música.

Outro importante ponto desta campanha foi a adesão de milhares de pessoas por meio do Facebook e do tema “Música gaúcha #EuApoio” presente nas fotos de perfis. Essa iniciativa particular de cada um, o simples ato de aderir à campanha trocando sua foto de perfil tem toda a importância que possa imaginar. Ao preservarmos a música gaúcha, preservamos nossa história, nossa cultura, e a arte mais genuína que o gaúcho possui, bem como uma das mais famosas e divulgada. A música regional é aquela que retrata as peculiaridades de cada localidade, é o sentimento do povo transformado em versos e canções, é total e exclusivamente nossa. Afinal, antes de sermos do mundo, temos que ser regionais! Vamos valorizar o que é nosso!!!

Leia Também Beto Campos, um profissional vencedor! Como reduzir aquela barriguinha indesejada? Vou operar! O que fazer? Decreto permite a readequação do uso de obras federais