Empresa privada deve recolher resíduos de restaurantes em Passo Fundo

Compartilhe

Uma alternativa ao descarte correto de resíduos gerados por estabelecimentos de comida oriental foi apresentada, nessa terça-feira (27), durante reunião, na Câmara de Vereadores de Passo Fundo. Conforme tratativas, uma empresa privada deverá realizar o recolhimento e destarte dos detritos a partir das próximas semanas, solucionando um impasse entre empresários e moradores.

Durante conversa, que reuniu representantes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Smam), Vigilância Sanitária, Codepas e empresários, o vereador Roberto Gabriel Toson (PSD), que trouxe a pauta ao Parlamento, avaliou que o custo para que cada empreendimento realize o descarte dos resíduos é muito alto, podendo variar de R$ 10 a R$ 30 mil reais por mês. Assim, a alternativa encontrada irá possibilitar, também, que os pequenos e médios empresários estejam em conformidade com a Lei. “Uma empresa aqui de Passo Fundo se prontificou em realizar o recolhimento sem nenhum custo, uma vez que esses rejeitos são matérias-primas para a produção de ração, por exemplo”.

A empresa privada que possivelmente realizará o recolhimento dos resíduos foi apresentada pelo vereador Claudio Luiz Rufa (PP), que esclareceu que o empreendimento realiza o transporte dos rejeitos para posterior descarte. Para possibilitar esse serviço, após tratativas com a Vigilância Sanitária, quem deverá elaborar uma logística de recolhimento, juntamente com os proprietários dos restaurantes e a empresa de coleta, será a Secretaria de Meio Ambiente.

O presidente da Comissão de Cidadania, Cultura e Direitos Humanos (CCCDH), vereador Rafael Colussi (Dem), informou que o grupo deve, em um segundo momento, realizar a análise da Lei em vigor que determina o descarte deste tipo de resíduo, considerando que outros estabelecimentos também devem ser notificados. “Analisamos esse aspecto como um todo, considerando os dois lados, tanto da população como dos empresários, e conseguimos uma alternativa muito viável dentro do contexto da Lei e do alto custo que essa destinação gera”, disse.


Empresários são os responsáveis pelo descarte

Desde de o ano de 2015, os proprietários de mercados, casas de carne, padarias e empresas que usam ou geram produtos de origem animal são os responsáveis pelo destino final dos resíduos gerados. A lei, de autoria do vereador Claudio Rufa, ainda determina que os estabelecimentos deverão indicar uma empresa responsável pela coleta, informando os dados referentes ao recolhimento e a identificação das empresas envolvidas.

Até então, as empresas vinham realizando o descarte nos contêineres espalhados ao longo das vias, porém, estes espaços são específicos para resíduos domésticos. Com o direcionamento da reunião, Rafael Fagundes, proprietário de um restaurante do segmento, acredita que a medida deve contribuir até mesmo com o relacionamento com os moradores dos arredores. “Buscamos o descarte apropriado, o intuito é que fique bom para os dois lados, empresários e moradores, evitando cheiros e bagunças nas ruas”, avaliou, destacando que a situação não é exclusiva dos restaurantes de comida oriental. “É uma conscientização geral, de todos que fazem descarte de comidas”, citou.

Fotos: Comunicação/ Câmara de Vereadores


Leia Também GESP apresenta proposta para implantação do Plano Municipal da Mata Atlântica Animais apreendidos recebem tratamento no Hospital Veterinário da UPF Acre decreta estado de emergência por incêndios nas florestas Amazônia brasileira está segura, diz Mourão