Os Pets Invadiram as Redes Sociais!

Postado por: Ionara Lermen

Compartilhe

Quem resiste a fotos de cachorrinhos e gatinhos fofinhos? Nem só de influenciadores digitais humanos que se abastecem as redes sociais. Os “digital influencers”, blogueiros, youtubers e celebridades de um modo geral usam de carisma, produções bem elaboradas e muito conteúdo criativo para conquistar seguidores. O retorno vem através de likes e visualizações monetizadas e do patrocínio de empresas que usam estas personalidades para divulgar marcas. A novidade são os “pets influencers” e dentro desses temos tanto os “dogs” quanto os “cats” dando um show de fofura na internet!

Cães e especialmente gatos estão deixando seus donos com tino comercial para extrair deles carisma e espontaneidade quando os percebem com afinidade para as lentes. Alimentam as redes com fotos “bonitinhas” que rendem uma verdadeira chuva de likes, e é claro, também oferecem conteúdo, ajudam nas campanhas de adoção, dão dicas de alimentação, protagonizam campanhas contra maus tratos e abandono e são naturalmente cativantes.

O sucesso se deve ao estímulo que os animais promovem no cérebro humano. Os especialistas em marketing digital apontam que pets trazem conotação de emoção. As marcas apostam em fotos de animais em suas campanhas, tendo eles relação ou não com os produtos e serviços. Os animais transmitem amor para o negócio, cativam o consumidor e auxiliam na diminuição da frieza e distanciamento que as relações comerciais possuem. É uma tendência interessante, promissora e de alta atratividade de atenção das audiências.

A neurocientista Carla Tieppo escreve que vídeos de bichinhos de estimação estimulam os nossos melhores sentimentos, estimulando hormônios como a ocitocina. Ver um animal brincando estimula o nosso lado brincalhão e seguro. A pesquisadora Jessica Gall Myrick, da Universidade de Indiana Bloomington, avaliou o potencial desse conteúdo para ajudar a aliviar um dos principais problemas da vida moderna: o stress. No estudo, os participantes assistiram a vídeos de gatos e relataram como se sentiram. A maior parte das respostas dizia que as pessoas se sentiam com mais energia e menos emoções negativas, como irritação, ansiedade e tristeza.

Para ilustrar esse fenômeno pet, vamos a alguns cases de sucesso como o Facebook do Cansei de Ser Gato que conta com quase 400 mil seguidores. O gato Chico é mais famoso da América Latina na atualidade e conta até com um livro que leva um monte de fotografias onde ele aparece caracterizado de personagens célebres. O cachorrinho Boo, que abalou a internet com seus quase 20 milhões de seguidores só no Facebook, sem contar as outras redes sociais é um fenômeno de audiência. Boo mora nos Estados Unidos e já tem dois livros publicados. O Pitbull Budapeste  é o cachorrinho da musa fitness Gabriela Pugliesi; tem quase 84 mil seguidores e fotos com mais de 12 mil curtidas. Borges, o gato conta com mais de 70 mil seguidores no Facebook, e tem um blog só pra ele.  A aborrecida gatinha americana Tardar Sauce tem 7,7 milhões de fãs no Facebook, além de seguidores no Instagram e no Twitter. Virou personagem de quadrinhos, livros, estampa canecas e camisetas, participa de programas de tevê e tem anunciantes de peso em seu site oficial.

A adesão pet é o reflexo de um comportamento que tem se ampliado em todas as esferas; Porém é importante ressaltar que caso seu interesse seja apenas alguns cliques de seu animalzinho de estimação, é fundamental que aconteçam de forma natural, descontraída, sem uso de flashes diretamente nos olhos, não utilizando adereços ou roupas humilhantes (animais não são brinquedos) e principalmente pautados em uma reflexão sincera da finalidade em ter um animal de estimação por afeto, jamais por exibicionismo. Alguns são mais dados a tanta espontaneidade, outros não. O importante é sempre garantir a integridade física, o amor, respeito e carinho para com eles. Bom senso sempre!

Ionara Lermen é Publicitária. Especialista em Criação para Multimídias. Mestre em Comunicação e Semiótica. Atua com Marketing Digital em Io Mídia e Design.

Leia Também Acende-se o fogo da tradição Onde estava a Bíblia? Transtorno de Personalidade Borderline Crescimento, emprego e custos de vida: o governo não entregou o que prometeu