Como festejou a Páscoa?

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

A celebração da festa da Páscoa, em nossas Igrejas, se reveste de grande solenidade e respeito. Celebra-se com muita fé, os grandes mistérios do sofrimento, morte e ressurreição de Cristo. Há um misto de dor e alegria, pois sabe-se que após a celebração do sofrimento do Senhor, após a sexta-feira Santa, celebra-se a alegria da ressurreição. Todavia, convida-se as pessoas para um tempo de penitência e reconciliação.

Nem todas as pessoas, mesmo as que se professam cristãs, celebram de corpo e alma, estes mistérios de nossa salvação. Dentro deste clima de fé e gratidão pelo amor manifestado pelo nosso Salvador, sabendo da ausência de um paroquiano, nas celebrações da Igreja matriz, o padre lhe perguntou:

- E daí, como foi a Páscoa deste ano?

Prontamente explicou-lhe:

- Olha padre, devo dizer-lhe com sinceridade: foi a melhor Páscoa que já celebrei. Já na 5ª à noite fomos com a família até o meu sítio. Vieram os parentes e familiares. Foi uma confraternização, sem igual. Providenciamos a melhor carne para o churrasco, porque a gente sabia que no dia seguinte não se podia comer carne. Mas na Sexta Feira Santa, providenciamos filé dos melhores peixes e os preparamos de diversas formas. Foi algo incomum. Para a noite, reservamos um bacalhau importado, com o melhor tempero. E continuamos a festa, com os mais diferentes festejos.  As crianças foram as que mais se divertiram. No sábado providenciamos carne de ovelha que foi assada lentamente, durante horas. Quando foi servida, estava realmente no ponto. Era uma delícia. À noite, festejamos a Páscoa, com a troca de presentes. Todos desejaram um ao outro uma “Feliz Páscoa”. A música com os jovens e as surpresas continuaram até a madrugada. Afinal, era a noite da Ressurreição, que precisava ser festejada. O tempo colaborou e deu tudo certo. Ah, padre, antes que esqueça: “Feliz Páscoa” para o senhor.         

O que você conclui da celebração desta Páscoa? O que ele celebrou? Qual a consciência cristã que ele tem de sua Igreja? O que entende por celebração? Não são estes os ateus práticos de nosso tempo? Se houvesse uma comunidade composta somente por este tipo de gente, o que se deveria fazer?

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

Leia Também Precisamos ser competitivos Alimentação durante o tratamento da infecção urinária Estado falha e municípios pagam a conta da saúde O cão, o trigo e o Fusca