Adaptações e modificações do Fusca pelo mundo

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

A capacidade inventiva do ser humano é incrível. Mas a capacidade de adaptar as coisas que já existem é muito maior. Com o Fusca não foi diferente e adaptações e modificações de todas as espécies já foram feitas. Hoje vamos trazer 10 adaptações/modificações realizadas nos Fuscas ao redor do mundo.

1. Táxi 4 portas: Durante muitos anos o Fusca foi o “carro de praça” mais utilizado no Brasil. Também na Alemanha isso era comum. Tão comum que nas décadas de 60 e 70 uma empresa chamada Karosserie Friedrich Rometch passou a adaptar Fuscas para o serviço de táxi. A adaptação era bem requintada, pois praticamente remodelava o carro quando alongava o entre-eixos em mais 22 centímetros para acomodar as duas portas traseiras suicidas (abertura invertida). A adaptação facilitava a entrada e saída de passageiros, mas seu custo era muito alto e poucas unidades foram produzidas.

2. Guincho: Dotado de todos os apetrechos necessários para um bom carro de socorro, o Fusca Guincho produzido pela empresa norte-americana BGW Spectre foi batizado de Tow Truck Wrecker. Estepes extras, guincho frontal, reboque traseiro, sinalizadores e uma mini-oficina mecânica equipavam este Fusca que bem representava a versatilidade do modelo.

3. Coupé: O Fusca nasceu para ser o “carro do povo” e sua simplicidade espartana era um dos seus maiores atributos. Mas também uma versão luxuosa foi fabricada na Alemanha. O Fusca Coupé de 1952 teve poucas unidades montadas e apenas uma ou duas restaram. Teto conversível de lona, cobertura das rodas traseiras, faixas brancas nos pneus, pintura em duas cores, tecidos e revestimento internos de padrão superior e uma traseira alongada tentavam dar ao besouro um ar sofisticado.

4. Rolls Royce: Se o Fusca Coupé alemão nunca desfilou em terras brasileiras, a empresa paulista Edmorba tratou de vestir nosso Fusca com uma “roupa de gala”. Conhecido como Mini-Rolls, o kit de transformação consistia em um novo capô do porta malas em fibra de vidro, com uma grade frontal em plástico ABS cromada que lembrava a frente do luxuoso inglês.

5. Cabriolet: Ao redor do mundo diversas fábricas criaram Fuscas conversíveis. No Brasil a empresa Avallone, na década de 80, criou o seu modelo. Custando quase 70% do valor do próprio Fusca, a adaptação empregava fibra de vidro nas laterais e uma capota escamoteável de lona. Não teve muitos exemplares montados. Nos dias atuais empresas como a Trocar Autos Antigos realizam a transformação do seu besouro em um bólido de capota conversível, sob encomenda.

6. Camper: Se você gosta de viagens longas e acampamentos, provavelmente já ouviu falar nas kombis Safari montadas pela Karmann-Ghia e em outros tantos modelos de vans e ônibus adaptados para o conceito motor-home. Mas o Fusca também teve seu  representante neste segmento quando nos anos 70 a empresa norte-americana RQR remodelava besouros com uma nova carroceria de fibra e alumínio para acomodar camas, frigobar, fogão, pia e armários, além de manter o lugar do motorista.

7. Porsche: O Porsche 935 que inspirou esta adaptação já não era unanimidade entre os próprios fãs da marca por causa de suas linhas. Assim, o Fusca Porsche foi uma experiência da empresa alemã Okrasa (famosa pelos kits de preparação de motores) que não teve muita aceitação. O protótipo de 1973 contava com kits de fibra de vidro para a carroceria e um motor boxer de 6 cilindros que entregava mais de 250 cv. Mesmo assim não vendeu nenhuma unidade.

8. Baja: Este você possivelmente conhece. O Fusca Baja ainda hoje conta com kits de transformação disponíveis para venda na internet. Oriundo da Califórnia e pensado para vencer dunas de areia e ser opção mais barata que os bugues da época, o Baja é ainda hoje sinônimo de off-road.

9.  Perua: Qual fusqueiro nunca pensou em transformar seu Fusca em uma mini van? A empresa inglesa Unique Vehicle & Accessory transformou esse sonho em realidade na década de 80. Utilizando kits de fibra de vidro e muita mão-de-obra, transformava os besouros em peruas e oferecia três versões: Shogan, Baja e a esportiva (sim, um Fusca perua esportiva) chamada de Shogan GTE.

10. Picape: As gambiarras e os Fuscas andaram lado a lado desde os primórdios. Na década de 50 a empresa suíça Beutler, antiga construtora de carrocerias automotivas, apresentou sua solução para a escassez de veículos leves de carga na Europa pós-guerra. Um Fusca com uma caçamba de madeira fixada à carroceria cortada logo atrás dos bancos dianteiros e com finos suportes traseiros presos aos para-choques.

Conhece mais algum modelo de adaptação ou modificação feita nos Fuscas? Conte para a gente nos comentários dessa matéria. Grande abraço!

Leia Também Homenagem a clubes da cidade gera polêmica A mais equilibrada Série Prata dos últimos anos O que evitar quando há retenção de líquidos? ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA