Quem defende um policial?

Postado por: Gilnei Fogliarini da Costa

Compartilhe

Na última segunda-feira (26), um casal de Policiais Militares de Santa Catarina, o sargento Marcos Paulo da Cruz (43 anos) e a soldado Caroline Plescht (32 anos), foram vítimas de bandidos quando de férias na cidade de Natal/RN, que após assaltarem uma pizzaria onde o casal estava ao identificá-los como Policiais obrigaram-nos que ficassem de joelhos e desferiram, sem dó nem piedade, dois disparos de arma de fogo em cada policial, vindo a soldado Caroline a perder a vida, pela simples razão de ter escolhido como profissão a árdua tarefa de proteger a sociedade contra esses elementos.

O que nos deixa incrivelmente aborrecidos e amargurados é a falta de atenção que grande parte do poder público, imprensa e ativista ditos defensores de Direitos Humanos, não levantar uma única bandeira em prol desses policiais, e de todos outros que diariamente tombam nesse país, país este que não zela por seus agentes da lei.

Porque o caso foi tão pouco difundido, onde estão os ativistas de DIREITOS HUMANOS? E se fosse o inverso, se por reação e instinto um dos Policiais ao tentar defender a própria vida, ou das pessoas que ali estavam, tivesse ceifado a vida dos indivíduos? Quanto alarde e quantas notícias em jornais e televisão teriam incriminado o Policial? É certo que os ditos “Ativistas de DIREITOS HUMANOS” esbravejariam nas delegacias, publicariam as mais absurdas histórias, cravariam no PM a chancela de covarde e nos indivíduos como coitadinhos, as vítima de uma sociedade.

O que indigna é ver tanta proteção e direitos para vagabundo solto, enquanto toda uma sociedade de bem anda de mãos amarradas sob a mira de leis sem ao menos poder defender-se de “marginais” desumanos que não possuem as mínimas condições de viver em sociedade.

Fica os nossos mais sinceros sentimentos aos familiares, amigos e colegas, que ficam com a dor e a saudade daqueles que tombaram, mas jamais abnegaram de sua virtude de defender a sociedade nem que seja com o risco da própria vida.

Vamos levantar esta bandeira, venham com a gente, na busca da Paz e do Bem, vamos valorizar aqueles que diuturnamente estão nas ruas para nos proteger. Precisamos nos mobilizar e lutar por uma justiça digna e efetiva.

 *A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

   

Leia Também 4º Domingo da Páscoa. A quem interessa a não vinda da Havan? Óleo de cozinha usado. O que fazer? Unidade no essencial