Manifestação acerca das medidas educacionais e funcionais de Sartori

Compartilhe

As ações adotadas pelo Governo Sartori, e seus aliados, são respaldadas pelo quadro político e social das contra reformas, aprovadas desde a consumação da derrubada da presidenta Dilma em 2016.

O fechamento de escolas, extinção de turnos e turmas, as demissões e terceirizações anunciadas, se tornaram determinações governamentais. São aplicadas com naturalidade e ocorrem graças a nova estrutura jurídica e política montada por meio do governo Temer/Padilha e compromete direitos sociais e à própria concepção de sociedade.

O projeto “Uma Ponte para o Futuro”, elaborado por Temer/Padilha, é a base conceitual para derrubar o governo eleito legitimamente pelo voto popular. Este projeto, agrega perspectivas que vão além de uma simples troca de comando no governo e oferece um rumo retrógrado e reacionário para nossa nação.
A aprovação da Emenda Constitucional 95, a liberação generalizada das Terceirizações, a Reforma Trabalhista, o “novo” Ensino Médio, aliado aos demais retrocessos no MEC sustentam o retrocesso adotado em âmbito estadual.

Por meio do Regime de Recuperação Fiscal, Sartori diz fazer seu “dever de casa” e legitima a política salarial e funcional destrutiva e, agora, ameaça de terceirizar os setores de apoio das escolas.

É preciso, diante dessa realidade, combinar diferentes formas de lutas. A resposta imediata é mobilização. Precisamos garantir os mínimos aspectos do Estado Democrático de Direito, especialmente, o da realização das eleições em condições de regularidade institucional. É necessário unir as forças democráticas e progressistas para frear o avanço do neoliberalismo associado ao fascismo.

As denúncias contra Temer, reveladas na véspera do feriado de Páscoa, deram maior instabilidade ao quadro político. Mostrou que o andar de cima tem dificuldades de fazer seus acertos internos.

Espero que as jornadas de lutas, que iniciam em Abril, sejam acompanhadas em massa pelos trabalhadores da educação. Não é só a própria sobrevivência profissional, que está em risco, mas a espiral de violência e obstrução da democracia que estão em perigo muito mais sérios.

 *A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

Leia Também O cão, o trigo e o Fusca Não incide IOF sobre fluxo financeiro em participação em sociedade “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz” Solução para o atraso