Eleições 2018

Compartilhe

Olá amigos! Estamos a praticamente seis meses das eleições, momento em que definiremos os representantes para os cargos de Deputado Estadual, Deputado Federal, Senadores, Governadores e Presidente da República. Por isso, nessa semana, apresentamos uma análise de como anda o cenário atual.

Ainda nesse ano, serão permitidas coligações proporcionais. Ou seja, os partidos podem se aliar para concorrem às vagas de Deputado Estadual e Federal. A partir de 2020, nas eleições municipais, cada partido terá que concorrer na proporcional apenas com candidatos da própria legenda. Esse fato dificultará a sobrevivência dos partidos pequenos.

Analisando as intenções de votos dos eleitores do Rio Grande do Sul para a Presidência da República, podemos dizer que em 2018 o cenário será diferente do vivido nas últimas seis eleições. Antes era comum os gaúchos dividirem seus votos entre PSDB e PT. Nesta eleição, as pesquisas mostram uma grande queda de intenção de votos no PSDB, que tem seus eleitores apoiando a candidatura de Jair Bolsonaro, atualmente deputado Federal. No caso do PT, Lula não será candidato. Porém, há a possibilidade de as esquerdas se juntarem pensando em um projeto maior, para ir para o segundo turno.

O que percebemos no Rio Grande do Sul, é que o PT tenta se manter forte, com a candidatura de Miguel Rossetto ao Governo do Estado. Porém a tendência é atingir no máximo 20% dos votos para Presidente da República. Resultado que já seria satisfatório, diante do desgaste nacional do partido. É bom lembrar que o PT nas últimas 6 eleições sempre obteve mais de 30% dos votos dos gaúchos.

Para o Senado há duas pré-candidaturas definidas: Ana Amélia Lemos (PP) e Paulo Paim (PT), ambos buscando a reeleição. Além disso, existem outras três possíveis candidaturas. São elas a do ex-Governador Germano Rigotto, do ex-Deputado Federal Beto Albuquerque e a do ex-Prefeito de Porto Alegre José Fortunati, recém filiado no PSB.

Para o Governo do Estado temos mais nomes definidos. Já é pública a pré-candidatura de Miguel Rossetto (PT), mencionado anteriormente, Eduardo Leite (PSDB), Jairo Jorge (PDT), Luis Carlos Heinze (PP), Roberto Robaína (PSOL), Mateus Bandeira (NOVO) e José Ivo Sartori (MDB), que ainda não se definiu, mas, ao que tudo indica, poderá ser candidato a reeleição. 

No momento o cenário é esse. Porém, na política se encaixa bem aquele antigo slogan da Band News: “em 20 minutos tudo pode mudar”. Seguimos acompanhando a movimentação dos candidatos e partidos para as eleições 2018.

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

Leia Também O cão, o trigo e o Fusca Não incide IOF sobre fluxo financeiro em participação em sociedade “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz” Solução para o atraso