Doença mão-pé-boca assusta a população de Tio Hugo

Compartilhe


Ocorreu em Tio Hugo, alguns registros nas últimas semanas, com quadro característico da doença mão-pé-boca e isso motivou a equipe de saúde através da Vigilância Epidemiológica do município tornar público alguns esclarecimentos sobre a doença.

A doença mão-pé-boca é causada por um vírus chamado Coxsackie da família enterovírus que habitam normalmente no sistema digestivo. É uma doença muito contagiosa, ela geralmente se manifesta com febre, dor de garganta, sintomas bastante comuns nessa época do ano, mas que evolui dentro de dois a três dias com surgimento de algumas lesões, principalmente na região da boca ou pode ser assintomáticos.
São sinais característicos da doença mão-pé-boca:
febre nos dias que antecedem o surgimento das lesões;
aparecimento na boca, amídalas e faringede manchas vermelhas com vesículas branco-acinzentadas no centro que podem evoluir para ulcerações muito dolorosas;
erupção de pequenas bolhas em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, mas que pode ocorrer também nas nádegas e na região genital.

A transmissão se dá pela via fecal/oral, através do contato direto entre as pessoas ou com as fezes, saliva e outras secreções, ou então através de alimentos e de objetos contaminados, podendo também ser transmitida a partir de um portador assintomático. Por isso ressalta-se a importância da higiene como melhor forma de prevenção. Mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas.

Se perceber algum sintoma é importante levar para Unidade Básica de Saúde (UBS). Além disso, um dos problemas na identificação da doença é que os sintomas são comuns de outras doenças.

Para diminuir a possibilidade de contagio de outras pessoas sugere-se:

– Estimular a lavagem de mãos do paciente varias vezes por dia e sempre que possível passar álcool gel, especialmente após tocar nas lesões, após utilizar o banheiro e antes de se alimentar, os cuidadores devem ser orientados a lavar as mãos sempre após trocarem as fraldas, antes de preparar a comida e antes de alimentar as crianças.

– Evitar, na medida do possível, o contato muito próximo com o paciente (abraçar, beijar, etc)

– Cobrir boca e nariz quando espirrar ou tossir.

– Manter um bom nível de higienização e desinfecção na casa, creches e escolas.

– Evitar compartilhamento de itens pessoais, tais como: colheres, copos e outros utensílios. Lembrando sempre de lavá-los adequadamente após uso.

– Lavar brinquedos e superfícies com as quais o paciente tem contato. Lavar com água e sabão e após realizar a desinfecção com solução de água sanitária e água (1 colher de sopa de água sanitária diluída em 4 copos de água)

– Descartar adequadamente fraldas e lenços de limpeza em lixeiras fechadas.

As crianças são as mais suscetíveis a contraírem a mão-pé-boca. Muito mais frequente em crianças até 3 anos e em especial crianças até 5 anos. Adultos e adolescentes até podem pegar , mas é mais raro.
Importante salientar que o problema não esta diretamente relacionado com as crianças que frequentam a EMEI Arlindo kerber ou outras escolas da rede municipal de ensino, pois existe registros de casos de crianças que não frequentam a escola também.
A equipe de saúde alerta para os pais ficar atentos aos sintomas, esta virose, é contagiosa, e que, através de ações em parceria com a secretaria de saúde e educação, está sendo possível controlar e evitar o surgimento de novos casos. Além disto, a prefeitura informa que as boas práticas de higiene foram intensificadas pelos servidores das unidades escolares. 

(Fotos ilustrativas)

Leia Também Francisco Turra recebe homenagem do Sicredi em Tapejara Coxilha realiza o Desfile Farroupilha Emenda assegura máquinas para município de Ernestina Marau é a cidade mais limpa do Brasil