Funcultura: um marco na história de Passo Fundo

Compartilhe

Valorizar a cultura da nossa gente é um compromisso que assumi em minha vida política. O Prêmio Funcultura é a materialização desta defesa. Apresentei esta iniciativa enquanto fui vereador, em Passo Fundo. A ideia foi instituída em lei pelo prefeito Luciano Azevedo, em 2014, quando ao lado dele, ainda era vice-prefeito da nossa cidade.

Hoje, o Prêmio chegou na terceira edição. Neste ano, distribuiu R$80 mil e viabiliza a realização de propostas em diversas áreas culturais. É reconhecida pela sociedade e se tornou um exemplo no nosso Estado.

Estimular ações como esta é apostar no futuro. É apostar que, assim como a educação, a cultura é uma ferramenta de transformação social.

O Prêmio está consolidado. Democratiza o acesso aos recursos públicos e beneficia toda a cadeia produtiva da cultura sendo incentivo para os artistas locais.

Ver os frutos desta ideia é de enorme alegria e renova minhas esperanças diante de momentos tão difíceis. Enquanto diversas cidades cortam recurso em áreas voltadas a cultura e o lazer, como forma de enfrentar a crise econômica, Passo Fundo, mostra que é possível fazer diferente.

Na nossa cidade, por meio do prêmio, mostramos que incentivar atividades culturais é uma forma de desenvolver a economia e levar arte de diversos formatos para toda comunidade.

O Funcultura é um marco na nossa história porque a cultura é transversal, democrática e deve ser um direito de todo cidadão. Estamos vendo isto acontecer em Passo Fundo. Promover este acesso, é fundamental para romper o individualismo extremo que vivemos.

Somos uma comunidade, e o Funcultura destaca e fortalece este espírito, além de construir uma nova realidade que agrega todos.

O prêmio leva um incentivo financeiro transparente e democrático. Para ter acesso os grupos interessados precisam estar atentos a publicação de editais anuais. Os projetos inscritos devem ser de interesse público e de forte impacto social.

O modelo de concorrência do prêmio estimula a valorização da cultura local sem dar espaço para interesses alheios a esta perspectiva. Os critérios para a seleção dos vencedores levam em conta a excelência artística do projeto; qualificação dos profissionais envolvidos; estratégia de comunicação, divulgação e formação de público; viabilidade prática do projeto; planejamento e cronograma de execução; conformidade com os objetivos do edital; e relevância cultural.

Um salve para cultura da nossa gente! Que venha a 4ª edição.

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

Leia Também O cão, o trigo e o Fusca Não incide IOF sobre fluxo financeiro em participação em sociedade “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz” Solução para o atraso