Correios sentem os efeitos da corrupção

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

As reclamações sobre os serviços prestados pelos Correios vêm de todos os cantos da cidade. As correspondências estão chegando atrasadas e causando transtornos e prejuízos financeiros aos clientes. Dizer que esta chegou a ser a empresa de maior credibilidade no país, mas mesmo assim não resistiu à incompetência de seus diretores que passaram pelo comando nos últimos anos. Indicações políticas, inclusive comprometidas com toda esta corrupção que destruiu o pouco que restava do bom serviço público. O que fazer agora? Privatizar ou acreditar que um novo Governo possa mudar as coisas e recuperar a empresa?

 

Primeiro passo é resolver a falta de pessoal

Sabemos que o atraso não é consequência somente da roubalheira promovida pela corrupção, tem a questão de boa parte dos serviços, como por exemplo, o transporte, ser terceirizado, por uma empresa de São Paulo, então, às vezes, não é culpa do serviço aqui na cidade, é que as correspondências já chegam atrasadas do centro do país. Outra questão é a falta de pessoal, uma que tem pouca gente mesmo para trabalhar o efetivo vem sendo reduzido ano a ano e outra é que o número de atestados médicos é muito grande, neste caso uns ficam doentes pela própria falta de motivação de trabalhar, sem condições estruturais e sem valorização.

 

Postos da BM abandonados nos bairros

Este tema é antigo e precisa ser resolvido. A Brigada Militar não usa mais os Postos instalados a décadas nos bairros. Os locais estão depredados e abandonados. Mudou a visão do policiamento e não se tem mais interesse por essas edificações. Essa situação abriu espaço para que esses locais fossem transformados em pontos de venda de drogas, muita ironia, prostituição, moradia de moradores e animais de rua. São prédios posicionados em pontos estratégicos, como tinha que ser na época em que estavam funcionando. Com recursos públicos e da comunidade, através do Consepro, foram feitos investimentos importantes, que simplesmente estão sendo desperdiçados. Ou a comunidade se apropria desses espaços para o bem público ou se destrói esses postos que atualmente só trazem dor de cabeça, principalmente para os moradores das proximidades. Algo que o Comando Regional, precisa decidir, com os demais órgãos interessados com a questão.  

Leia Também Linda ou ridícula? Muito obrigado Dom Urbano! O respeito à propriedade alheia CNBB: qual a nossa missão?