Das opiniões e da capacidade de crítica construtiva

Compartilhe

As últimas cenas que cada brasileiro acompanhou nos últimos tempos nas diversas cenas que retratam o estado de constrangimento que o povo enfrenta, demonstra o quanto ainda temos pela frente de “trabalho”, responsabilidade e projetos a serem executados e, especialmente, construídos.

Após passar certo tempo, e é isto que temos a oportunidade de aprender, os fatos ficam mais claros e podemos atuar, opinar, julgar e compreender com mais maturidade. O que se viu, se vê e provavelmente se verá por bastante tempo é a emoção tomando conta da capacidade de pensar, refletir e atuar com maturidade. Não podemos nos comparar com personalidades e países com outras histórias e com experiências ocorridas em contextos do passado e do presente sem comparação com o nosso.

A ação e avaliação, neste período específico, é praticamente impossível sem que a emoção, as convicções e a decepção tome conta de nossa imaginação e dos nossos comentários. Complexo é abster-se, quem sabe mais difícil seja opinar.

Os fatos que ocorreram nos anos recentes, retratos de uma tradição histórica complexa e tortuosa, não são bons para ninguém, à nação, aos povos que compõe nossa(s) cultura, às instituições (públicas ou não) e à nossa vivência individual.

A obra de reconstrução é mais exigente do que a exposição ou a destruição.

Nossas casas, sejam de papel ou não, refletem esse mecanismo que compreende a atuação conjunta e a sabedoria individual. O arquiteto, como aprende a muitos anos de um sábio sem expressão, autoridade, fama ou capacidade de influenciar ou administrar, é aquele profissional capaz de olhar para uma obra destruída e vê-la pronta.

O conjunto de estratégias humanas em campos dominados pela complexidade ou pela realidade possível de ser percebida no cotidiano é uma obra que necessita dessa percepção e sabedoria.

O conhecimento das estratégias é fundamental. Entretanto, a capacidade de aglutinar e favorecer uma obra são ação instigada pelo que aparece e pelo conjunto de pequenas obras que a tornam menos tortuosa, mais dinâmica e plena de atração.

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

Leia Também Precisamos ser competitivos Alimentação durante o tratamento da infecção urinária Estado falha e municípios pagam a conta da saúde O cão, o trigo e o Fusca