Pesquisa da CNI e Todos Pela Educação aponta piora na percepção de qualidade de ensino

Postado por: Amilton Rodrigo de Quadros Martins

Compartilhe

A pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica foi realizada pelo Ibope Inteligência e ouviu 2 mil pessoas entre 15 e 20 de setembro de 2017 em 126 municípios, sendo solicitada pela CNI - Confederação Nacional da Indústria em parceria com o movimento Todos Pela Educação.

A pesquisa aponta que 26% dos entrevistados consideram o ensino no nível médio do país como ruim ou péssimo, sendo que em 2013, quando uma pesquisa semelhante foi feita, o percentual era de 15%. Para piorar, 12% dos brasileiros acreditam que o aluno do ensino médio das escolas públicas está bem preparado para o mercado profissional e 23% dizem que está despreparado.

Ainda, a pesquisa aponta que 81% das pessoas concordam que o problema da educação no país podem ser atribuídos à má utilização das verbas destinadas ao setor, e não necessariamente a falta das mesmas, e aponta que aumentou de 61% para 74% o percentual dos que concordam totalmente que um ensino de baixa qualidade é muito prejudicial para o desenvolvimento do Brasil.

Também é possível verificar que atuação dos professores nas escolas públicas de ensino fundamental e médio é mais bem avaliada do que as condições gerais das escolas. A capacidade para ensinar dos docentes, por exemplo, obtém média 7,2 (em uma escala de 0 a 10) e é o fator mais bem avaliado, enquanto o relacionamento com os pais dos alunos obtém a pior média (6,1).

Caiu também de 48% para 31% o percentual das pessoas que consideram o ensino médio como ótimo ou bom, e nas escolas particulares, os entrevistados que consideravam essa etapa escolar como ótima ou boa também diminuiu de 76% para 64% no mesmo período.

A visão dos entrevistados sobre a baixa qualidade da educação é confirmada por resultados de proficiência como Ideb e Programa Internacional de Avaliação de Estudantes – Pisa, onde o Brasil ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática, em 2015, de acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Os pesquisadores perguntaram ainda à população quais seriam as principais ações para melhorar o desempenho dos alunos do ensino básico público. Entre dez iniciativas, equipar melhor as escolas é a ação mais citada (28%). O material didático digital e o acesso a computador com internet estão entre os itens com notas mais baixas na avaliação da população das condições gerais das escolas públicas (4,6 e 5,0, respectivamente, em uma escala de 0 a 10).

Iniciativas relacionadas aos professores também foram avaliadas: aumentar o salário dos docentes é a mais assinalada entre as duas principais ações (40%); elevar o número de professores aparece em segundo lugar (34%), praticamente empatada com ações para melhorar a formação docente (32%).

Qual a sua ideia sobre os principais problemas da educação básica na sua cidade? Da mesma forma, como poderíamos resolver tais questões? Compartilhe sua opinião conosco :-)

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

 


Leia Também Por que usar Emojis nas Redes Sociais? Sistema de Gestão Ambiental nas empresas Combate ao Golpe do Bilhete Premiado “João é seu nome”