Sistema elétrico do Fusca

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Se durante sua vida toda o carro mais amado do mundo teve inúmeras mudanças estéticas e algumas mecânicas, na parte elétrica pode-se dizer que as mudanças foram pontuais.

Inicialmente a VW adotou um sistema comum para a época, de 6 volts. Até o princípio da década de 60 o sistema supria as necessidades do carrinho, pois pouco era exigido.

A carga a ser suportada era bem reduzida, sendo concentrada nas fracas lâmpadas, limpador de para brisas, motor de partida e, às vezes, um rádio de baixa potência e um alto-falante simples. Um ou outro entusiasta arriscava a instalação de luzes auxiliares e faroletes.

Mas com o passar dos anos e os avanços tecnológicos que passaram a estar disponíveis e serem desejados para os veículos, o velho sistema acabou por  demonstrar que não atendia mais às necessidades.

Assim, em 1968 a VW lançou o Fusca com sistema elétrico de 12 volts e diversas alterações no sistema como bitola da fiação maior, lâmpadas mais fortes e possibilidade de suportar um sistema de som mais potente e faróis auxiliares. Naquela época essa mudança ajudou a renovar a posição do Fusca no mercado, o tornando mais atrativo.

Contudo, mesmo tendo adotado o sistema moderno de 12 volts, o Fusca continuava sendo montado com o velho dínamo para realizar a carga da bateria. Como o dínamo exige uma rotação mínima do motor para que produza a tensão correta para carregar a bateria, os carros que rodavam em trajetos urbanos curtos e de baixa velocidade continuavam sofrendo constantemente com baterias descarregadas.

Somente em 1982 a VW adotou o alternador em substituição ao dínamo na montagem dos Fuscas nacionais. O alternador faz o mesmo trabalho, mas de maneira muito mais eficiente, entregando a tensão correta para a bateria em qualquer rotação do motor.

Com essas alterações e também com a adoção de baterias de maior amperagem,  nos anos que se seguiram o Fusca conseguiu se equiparar aos demais veículos do mercado, com a possibilidade de se instalar vidros e travas elétricas, alarmes, sistemas de som potentes e lâmpadas de maior capacidade.

Leia Também Alimentação durante o tratamento da infecção urinária Estado falha e municípios pagam a conta da saúde O cão, o trigo e o Fusca Não incide IOF sobre fluxo financeiro em participação em sociedade