Colelitíase – Tratamento

Compartilhe

Nos casos em que o paciente apresenta os sintomas característicos e exames que comprovam a presença de pedras na vesícula, a cirurgia é necessária. O procedimento é chamado de colecistectomia e consiste na retirada das pedras presentes no órgão. A cirurgia também é recomendada quando o paciente já apresenta alguma complicação decorrente dos cálculos, tais como obstrução da via biliar, pancreatite biliar ou colecistite aguda.

Nos casos em que a cirurgia é realizada, podem ser usadas duas técnicas, a cirurgia aberta ou a cirurgia por laparoscopia. A colecistectomia aberta é realizada com uma incisão que varia de 5 a 30 cm. O paciente permanece internado em média 3 dias e necessita de um tempo de recuperação de cerca de 30 dias para retornar às suas atividades físicas. Na colecistectomia videolaparoscópica são feitas quatro punções, em uma delas entra um sistema ótico conectado a uma micro câmera e a vesícula é retirada por um desses orifícios. A recuperação é mais rápida e o paciente geralmente apresenta menor dor no pós-operatório. Hoje em dia, este é o tratamento de escolha para a maioria dos pacientes.

A vesícula biliar não é indispensável ao organismo. Ela é considerada uma via biliar acessória e ela não é a responsável pela produção de bile. Sua função está relacionada ao armazenamento e concentração do líquido biliar. Após a retirada da vesícula, existe um tempo para adaptação do organismo para o retorno ao processo de digestão habitual.

Na próxima semana, conversaremos mais sobre outra doença de tratamento cirúrgico. Até logo!

Leia Também Semana Nacional do Trânsito e a importância de ações voltadas à mobilidade urbana Alienação política e econômica Golpe Jurídico sendo colocado em prática 25º Domingo do Tempo Comum.