Reconstrução da economia brasileira passa pela valorização do trabalhador

Compartilhe

Nosso país precisa voltar a crescer. Para isso, é fundamental um movimento de reconstrução econômica, que promova o emprego e renda.

Nossa produção foi destruída, em parte pela pela crise econômica internacional e, em outra parcela, prejudicada pelas ações do “governo” Temer que vem liquidando a indústria Brasileira.

Temer transforma nosso país em uma nação exportadora de commodities. Porém, entendemos que é central dentro de um programa para a nação brasileira pautado na reconstrução industrial.

Precisamos de um projeto nacional que seja desenvolvimentista para o nosso povo. O Brasil já foi uma das nações com papel de destaque no cenário mundial e, agora, vem em um declínio econômico brutal.

Garantir os direitos dos trabalhadores precisa estar aliado a este programa. A CLT foi rasgada e os direitos dos trabalhadores destruídos com a reforma trabalhista. Não é possível haver uma sociedade séria e justa sem que os direitos dos trabalhadores sejam preservados e garantidos na lei e na vida. Hoje, o subemprego se espalha rapidamente sem amparo sindical.

A Reforma Trabalhista deve passar por um referendo de revogação. A proposta de Temer foi decidida em gabinetes fechados e com o apoio de um Congresso que liquidou com os direitos dos trabalhadores sem discutir com o povo brasileiro.

Neste 1º de maio, celebramos pela primeira vez o dia internacional do trabalhador, seis meses após a Reforma Trabalhista. Proposta pautada no entreguismo e que tem provocado a precarização do trabalho na nossa nação.

Estamos em um momento de luta pela defesa dos direitos e por melhores condições de trabalho. Nesta data, marco histórico da luta dos trabalhadores é nosso dever fazer a defesa da democracia e das garantias constitucionais.

Este é o momento de unir amplos setores em torno de um programa nacional que assegure nossa soberania, restaure a democracia, retome o crescimento econômico e proteja os direitos sociais e reduza as desigualdades.

A mobilização de cada trabalhador é fundamental neste momento, resgatando o papel histórico que exerceu no passado e sendo sujeito da história e transformador social.

Se o 1º de maio foi, na história, uma data de luta, hoje deve voltar a  ser um momento mobilização e de transformação social.

Viva o dia internacional do trabalhador!

Viva o trabalhador brasileiro!

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

 

Leia Também Crescimento, emprego e custos de vida: o governo não entregou o que prometeu Derrota e ensinamentos na Série Prata Alimentos que tiram a fome despesas de capatazia não entram no cálculo de Imposto de Importação