IMED promove Maio Vermelho

Compartilhe

A iniciativa busca estimular a prevenção, combate e diagnóstico precoce do câncer de boca

 

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que por ano são 15.490 novos casos de câncer bucal no Brasil. Desse total, 11.140 são homens e 4.350 mulheres. Para mudar esse panorama, levar informações sobre prevenção e diagnóstico, a IMED promove, por meio do curso de Odontologia, a primeira edição do Maio Vermelho. Com o apoio do Hospital da Cidade, Liga de Combate ao Câncer, Centro de Tratamento do Câncer (CTCAN), Liga de Odontologia Hospitalar e Diretório Acadêmico de Odontologia diversas ações estão previstas para ocorrer durante o mês. As atividades levarão informações também para pacientes que já estão em tratamento de câncer e que recebem atendimento de radioterapia e quimioterapia.  De acordo com a professora Joseane Viccari Calza, que coordena as Clínicas Odontológicas da IMED e que faz parte da comissão organizadora do Maio Vermelho, o câncer bucal pode afetar pessoas de ambos os sexos, mas possui maior frequência em homens acima de 40 anos. “Os principais fatores de risco estão relacionados a alguns hábitos, como: tabagismo, consumo de álcool e o chimarrão com água muito quente pode aumentar o risco”, explica.

O mês de maio já é representado no calendário pelas diversas ações que são promovidas no combate e prevenção deste tipo de câncer pelas instituições, entidades odontológicas e representações públicas e privadas ligadas à saúde. “Acabamos transformando nosso Maio Vermelho em uma grande ação para que possamos nos tornar referência no que diz respeito à informação com conhecimento”, salienta a professora.

 

A comunidade poderá participar de uma feira de saúde, que será realizada na praça Santa Terezinha no dia 11 de maio.  Das 9h às 11h professores e alunos estarão realizando exames bucais e orientações sobre lesões suspeitas.

 

Fatores de Risco e sintomas:

O cigarro e o álcool são os principais fatores de risco do câncer de boca. Realizar o autoexame, ficar atento a feridas ou machucados na boca que não cicatrizam há mais de 15 dias são algumas dicas que podem ser observadas. Também é necessário ter atenção à dor persistente, nódulo ou espessamento na bochecha, além de mancha ou placa avermelhada (eritroplasia) ou esbranquiçada (leucoplasia) nas gengivas, na língua ou na amídala.

Outros sintomas do tumor são dor e dificuldade para mastigar ou engolir, dificuldade de encaixar a prótese dentária, emagrecimento e mau hálito persistente. Caroços no pescoço geralmente estão relacionados ao avanço da doença.

Leia Também Paralisação dos caminhoneiros: UPF suspende aulas em Casca Paralisação dos caminhoneiros: IMED mantém aulas e faltas podem ser abonadas Bernadete Maria Dalmolin é eleita na UPF Domingo no Campus ocorre neste dia 27