Abordagem e barreira policial para ampliar a sensação de segurança

Postado por: Gilnei Fogliarini da Costa

Compartilhe

Uma das formas de ampliar a sensação de segurança da comunidade é a partir da atuação da Polícia Ostensiva, sendo que abordagens e barreiras policiais são métodos de coibir e prevenir os crimes, mas ao mesmo tempo em que as policias atuam para garantir essa sensação de segurança muitos se queixam destes meios utilizados. Destacamos que estes meios são utilizados no cotidiano de forma cautelosa e prudente, sendo que estas abordagens podem ser pessoal ou veicular, de forma isolada ou durante barreiras.

Um conceito utilizado diz que Abordagem é: “ato pelo qual o policial se aproxima e interpela qualquer pessoa, a pé ou em veículo, a fim de identificá-la e/ou proceder à busca, de cujo ato poderá ou não resultar outras ações decorrentes, como orientação, advertência, a prisão, a notificação por infração de trânsito, apreensão de coisas ou outras que a situação determine.

O objetivo da abordagem é a prevenção, pois ela é simples e não ocorrerá problema algum se todos nós quando passarmos por tal situação colaborarmos para que ela transcorra o mais natural possível, pois são a partir das abordagens que diariamente as polícias conseguem evitar dezenas de crimes nos mais diversos centros. Com a abordagem se consegue identificar as pessoas que circulam por determinados locais, e quando os infratores sabem que este ato está ocorrendo em determinadas áreas com certeza haverá uma diminuição expressiva da circulação destes indivíduos, e consequentemente os índices de criminalidades diminuirão.

As abordagens policiais também são importantes para a repressão do crime, do tráfico de drogas e de armas, mas também para inibir o tráfego de veículos roubados/furtados que circulam nas mais diversas vias da cidade e do interior.

Vale lembrar que a abordagem tem a finalidade do bem-estar da coletividade, sempre deverá ocorrer de forma ostensiva e, portanto, preventiva, e caracterizada como a situação de fato aparentemente anormal ou o dever legal de agir preventivamente. Também é primordial que ocorra de forma enérgica, com postura e atitude necessária para que não ocorram problemas na interpretação da abordagem.

Desta forma solicita-se a colaboração, apoio e compreensão da comunidade quando se deparar com tal fato, pois o policial tem dificuldade em saber quem é o infrator e a pessoa de bem, e somente com a abordagem técnica e profissional terá conhecimento de quem circula naquele ambiente, assim nos vale colaborar, e quando for interpelado pelos agentes cabe ao cidadão de bem auxiliar e agradecer a presença da segurança naquele local.

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião de seu autor.

 

Leia Também Graças à bateria estragada Doenças psicossomáticas Vêm aí momentos ainda mais difíceis para o funcionalismo do Estado Ministério da Saúde libera recursos para o Qualifar-SUS