Que país é esse?

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

A célebre frase “QUE PAÍS É ESSE”, ficou conhecida durante o período militar, ao ser pronunciada pelo líder político da época, Francelino Pereira (Arena). Na atualidade, a imortal frase que chegou a ser tema de música na voz de Renato Russo (Legião Urbana), voltou a ter notoriedade ao ser pronunciada por um dos presos na Operação Lava a Jato, o ex-diretor da Petrobrás, Renato Duque. Durante as investigações da Lava a Jato, Duque foi flagrado em gravações autorizadas pela justiça, reclamando de forma surpresa, e, extremamente indignado com seu advogado, ao saber que seria preso, disse: “Que país é esse?” O povo brasileiro chegou ao seu limite de tolerância com a atual situação política, o GIGANTE acordou novamente e foi as ruas pedir justiça e mudanças urgentes, onde o estopim foi a greve dos caminhoneiros.   

O cenário seria cômico se não fosse trágico. Em um país onde a corrupção e a roubalheira, contaminaram as entranhas do poder público brasileiro, tornando a propina e corrupção, uma prática sistêmica e comum, a aplicação da justiça e da lei, causa espanto em muitos políticos e empresários que agiam de maneira ilícita e criminosa. As grandes obras públicas, principalmente as coordenadas pela Petrobrás, tinham um valor “tabelado” de propinas, que eram destinadas a partidos políticos, além de atenderem interesses particulares. Em depoimento a Polícia Federal e ao juiz Sérgio Moro, o patriarca da família Odebrecht, Sr. Emílio Odebrecht, revelou que a prática de corrupção funciona há mais de 30 anos no Brasil. Os atuais governantes apenas aprimoraram o esquema criminoso, que contava com um sofisticado aparato de advogados, empresários, políticos, dirigentes de estatais, doleiros, bancos estrangeiros e “laranjas” (pessoas que emprestaram seus nomes para assumirem a propriedade de bens móveis e imóveis). Toda esta roubalheira, está sendo paga pelo povo brasileiro, contribuintes sufocados pela alta carga de impostos e preços altos de produtos indispensáveis.

Após os desdobramentos da Operação Lava a Jato, que corajosamente foi levada adiante até os dias de hoje, pela Polícia Federal, sob o comando do juiz Sérgio Moro, podemos concluir:  que o nosso País foi governado pelos grandes empresários brasileiros, pessoas com alto poder econômico, que “compravam” o voto de parlamentares e ditavam as regras aos chefes do executivo, criando leis e decretos que favoreciam aos interesses pessoais e corporativos dos mesmos. O resultado deste patológico sistema político que se instaurou no Brasil é a crise histórica e sem precedentes que estamos vivendo. Nos últimos dias, o GIGANTE povo brasileiro acordou novamente, e, agora, iniciando uma das maiores paralisações já vistas na história de nossa Pátria. A greve se iniciou com a categoria dos caminhoneiros, categoria esta que mostrou para o Brasil a sua importância e indispensabilidade para a cadeia produtiva e para a vida de todos nós. Os brasileiros em sua ampla maioria, apoiaram e participaram da paralisação, demonstrando sua indignação e descontentamento com a atual situação da política nacional.  

A greve acabou, a vida de todos os brasileiros está voltando a normalidade, porém, fica um legado deste movimento “GIGANTE” que parou o Brasil de sul a norte, a mensagem para os governantes e aos políticos de maneira geral: Os brasileiros não aceitam mais as velhas práticas sorrateiras de se fazer política. Os eleitores brasileiros serão mais exigentes, não acreditam mais em “falácias”, mentiras e promessas que não poderão ser cumpridas. O povo nas ruas demonstrou mais uma vez a sua força, o “GIGANTE” acordou e mostrou para o mundo “QUE PAÍS É ESSE.”

Leia Também 560 mil quilômetros de histórias e contando Negócios da área da saúde e a preocupação ambiental Declaração Universal dos Direitos Humanos As saídas temporárias dos presos