Desenvolvimento depende da diversificação dos modais de transporte

Compartilhe

Precisamos recuperar nossas ferrovias, explorar o transporte hidroviário e promover a diversificação dos diferentes modais logísticos. Nossa economia não pode ficar dependente do modal rodoviário. 

Acabamos de sair de uma greve, correta e justa, mas que nos faz debater a importância de usar outros modais de transporte no Brasil. Além disso, as rodovias dependem de vultosos investimentos seja na duplicação ou manutenção constante. 

Até hoje aguardamos a duplicação da BR 116, uma rota fundamental para escoar tanto a produção de grãos e da indústria ao porto de Rio Grande. A BR-386 está na iminência de ser concedida para a iniciativa privada, com o argumento de viabilizar os investimentos necessários na duplicação e obras de ligação com as vias urbanas do entorno. Deve ser loteada com cinco praças de pedágio e onerar ainda mais o bolso do contribuinte. 

Precisamos repensar a logística que estamos utilizando. Por muitos anos, a malha ferroviária da região norte do Estado foi uma das mais movimentadas do Brasil. Trens abasteciam os municípios e estimulavam uma área importante da economia gaúcha.

Hoje lamentavelmente, os trilhos estão em uma situação de abandono. Há mais de 20 anos, por conta da privatização feita pelo governo Fernando Henrique Cardoso, o transporte ferroviário é praticamente inexistente no sul do país. A ligação que era feita pela nossa região, até São Paulo, foi abandonada. 

O modal ferroviário, além de ser mais barato, menos poluente, serve de apoio aos caminhões que poderiam fazer o transporte intermediário das cargas até os terminais nos portos secos. Não podemos aceitar que o país retroceda tanto na área de transportes como ocorreu nas últimas décadas. Hoje a ALL Rumo atua onde quer, como quer e quando quer. Sem nenhuma fiscalização por parte do Estado e sem fazer investimentos necessários. 

Defendo a recuperação da nossa malha ferroviária sem deixar de valorizar o transporte feito de forma tradicional e, sem deixar de pensar, também, o transporte hidroviário. 

Cabe destacar que o modal hidroviário, é um dos mais baratos, competitivos e sustentáveis. 

Aqui no Rio Grande do Sul, houve o fechamento da Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH). Isso vai resultar no sucateamento do transporte hidroviário no Rio Grande do Sul. 

A diversificação dos diferentes modais de transporte é um passo fundamental para estimular o crescimento econômico, garantir eficiência para a logística nacional e atrair novos investidores gerando emprego e renda.

*A Fundação Cultural Planalto de Passo Fundo salienta que o texto reflete a opinião exclusiva de seu autor.

 

Leia Também Solução para o atraso Eleição Presidencial: A ecologia não é questão secundária! Pobreza de propostas em campanhas eleitorais Alimentos aquecidos a altas temperaturas e risco de câncer