O tradicionalismo nas escolas

Postado por: Isadora Fochi

Compartilhe

É fato que o Brasil, e também o estado do Rio Grande do Sul passam por uma grande crise na educação. E mais, muitas das crianças que hoje integram o ensino básico nas escolas não possuem contato com a tradição gaúcha, de certa forma, com o que é próprio da história do povo sul rio Grandense. O tradicionalismo como movimento que é, e mais, como força social deve portanto ingressar nessas escolas, de alguma forma, para incrementar às crianças e jovens uma pequena parcela do mundo que que o movimento vive, tentando, de alguma forma, fazer despertar nesses jovens e crianças o gosto pela participação nesse meio.

Promover visitas às escolas e instituições já faz parte do cotidiano de inúmeras prendas, por meio do projeto MTG e a Comunidade Escolar, conhecido também por MTG vai à Escola. Nesta ação as prendas devem elaborar atividades, sejam elas lúdicas ou não, nas escolas em suas comunidades, procurando envolver a todos que fazem parte da instituição. E nestas atividades ministradas pelas prendas é que as crianças interagem com a cultura do estado e podem até se sentirem mais integradas ao meio tradicionalista.

Assim, não somente na Semana Farroupilha, mas durante todo o ano, é legal e importante que os estudantes tenham um contato, mesmo que pequeno, com as coisas genuínas do estado do Rio Grande do Sul, sua cultura, história, lendas e tudo que o tradicionalismo envolve. Despertar na criança o gosto pelas coisas do Rio Grande é um imenso e muito importante passo para uma expansão devida do movimento tradicionalista, despertando nelas o orgulho de ser gaúcho e mais, um espírito de jovens lideranças.

Leia Também O cão, o trigo e o Fusca Não incide IOF sobre fluxo financeiro em participação em sociedade “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz” Solução para o atraso