Mercado de trabalho está valorizando os mais velhor

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Sem dúvida que existe um preconceito velado, com pessoas de mais idade, que passaram dos 50 anos, para ter uma chance no mercado de trabalho. A vaga existe, a pessoa tem qualificação, mas sempre recebe uma desculpa ou outra, para não ser contratada, mas no fundo é porque o empregador entende que a pessoa está “velha demais”. Porém, essa situação está mudando, conforme os participantes do programa Frente e Verso da Rádio Planalto, de sábado. Ambos, Jorge Bilhar (IBGE) e Sérgio Ferrari (Sine), confirmaram que muitas empresas estão até priorizando pessoas com mais experiência, por serem pessoas mais centradas, preparadas e de melhor relacionamento para trabalho em grupo. Claro que isso se deve também a falta de qualificação de muitos jovens, que preferem curtir a vida, a estudar e buscar uma profissão. Enquanto se é novo, tudo bem, mas o comportamento dos jovens de hoje vai trazer grandes desilusões no futuro.

 

Lei garante vaga para menores, mas a maioria das empresas não cumpre.

Outro ponto importante abordado no programa é com relação aos adolescentes. A legislação trabalhista determina que conforme o número de colaboradores que a empresa tem, deve proporcionalmente oportunizar o primeiro emprego. Entretanto a maioria das empresas não observa a lei e o Ministério do Trabalho está batendo muito nesta questão. Primeiro a empresa é notificado a corrigir a falha e depois, se não fizer, é multada. A fiscalização rotineira acontece, mas também o MT atua por denúncia. Por isso importante as empresas estarem atentas neste ponto e se adaptar, antes de receber uma “batida”.

 

Neymar não tem comportamento de ídolo

Bom, não preciso dizer que estou decepcionado com o futebol apresentado pele seleção brasileira, até agora, na Copa do Mundo, creio que este seja um sentimento geral dos torcedores. Só que estou mais decepcionado ainda com o comportamento daquele, apontado para ser o craque da Copa e o grande ídolo da torcida brasileira. O Neymar parece estar preocupado com tudo, menos em jogar sério, respeitar os colegas de profissão e a própria torcida. O tempo todo fazendo “firula”, encenando faltas, desperdiçando lances importantes por preferir tentar enganar o árbitro e provocar os adversários. Mas pior que tudo isso é a quantidade de palavrões que ele fala. O que ele disse para o árbitro e adversário no jogo passado foi uma vergonha. Isso tudo se deve a mídia que trata o Neymar como se fosse um super herói e ele, sem estrutura psicológica, não consegue administrar essa condição. No final do jogo ainda cai no meio do campo parar chorar. Mais uma jogada de marketing para estar no centro das atenções. Tem que fazer alguma coisa para aparecer, já que futebol não está jogando nada.


Dizem por aí... Que o técnico Renê Simões previu há muito tempo que o futebol brasileiro estava criando um “monstro”, chamado Neymar, devido à tamanha falta de educação do rapaz. Será verdade?

 

Leia Também Curiosidades sobre o Fusca Como fica o Congresso após a aprovação da Reforma da Previdência? Com sapato ou sem sapato O bom samaritano