A Copa, a Seleção e o Brasil

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

Domingo, por volta da hora do almoço, enquanto meus amigos cavalgavam pelas cachoeiras dos Aparados da Serra, em Porto Alegre um ex-aluno da Universidade de Passo Fundo (a UPF não escolhe seus acadêmicos), aproveitando-se do momento, determinou a soltura de Lula. Fácil assim. Rasgou a Constituição, desrespeitou seus pares, seus superiores e acatou um Habeas impetrado por uma pessoa que sequer advogado da parte era. Ha sim, o tapejarense trabalhou para o PT por mais de 20 anos. 

Vergonhoso!

A safadeza judiciária vai até onde? Esse vai e vem de prende e solta, ocorrido domingo, é mais uma das tantas falhas determinadas por um Código Penal ultrapassado e com viés “democrático”, que serve tanto à condenação quanto à inocência. Vergonhoso, mas brasileiro.

O Brasil passou a noite de sexta-feira e o sábado todo, até domingo pela manhã, tentando remoer a eliminação da Seleção Brasileira na Copa. E que aconteceu no tempo certo. Nada de injustiça.

A injustiça que eu vi, e torço muito para o técnico Tite, foi ele ter deixado de lado os jogadores brasileiros, daqui mesmo, para ter levado estrelas milionárias, sem emoção, sem o prazer de jogar pela camisa, como fez Pelé, Tostão e outros tantos. Dunga foi um exemplo de dedicação e caráter, mas ao responder mal a um apresentador da Globo, foi execrado pelo país inteiro.

A disciplina da CBF para a Seleção permitiu mulheres, farras e até cabelereiros na concentração, para que os jogadores aparecessem “bonitos” nos jogos. Afinal, mais da metade do mundo estaria em frente à Tv. Isso é “marketing”.

A CBF, uma entidade pilantra, que é mais suja que muitos partidos políticos daqui, e você sabe aos quais me refiro, tem que sofrer uma intervenção. E das fortes.

Enfim, tivemos na Copa o que merecemos e, traçando um paralelo, aquilo que fizemos nas urnas há quatro anos: Nada!

Jogamos nosso voto ao léu. Trocamos nossos votos por gasolina, galinhadas, cervejadas e cargos. Alguns são de tamanha confiança que acreditam até em Papai Noel, tão forte a convicção de que mesmo julgado e condenado em todas as instâncias, Lula não deve nada. É inocente (há coitado!).

Enfim, futebol e política. Coisas que o Brasil está devendo ao mundo, há tempos.

Vou me abster de comentar as individualidades. Não merecem espaço.

 

Leia Também As exigências do carro STJ afasta cobrança de IPI sobre mercadoria roubada Concessões e privatizações para salvar o Estado Economia versus política