Segurança privada, subsidiária e complementar a segurança pública

Postado por: Gilnei Fogliarini da Costa

Compartilhe

A segurança pública no âmbito nacional está cada dia mais difícil manter a sociedade livre do crime. O Estado e a União tornaram-se incapazes de subsidiar as custas para prover e qualificar de forma harmônica seu dever constitucional de manter a segurança.

Por outro lado as instituições e seus agentes, que exercem esta árdua tarefa da preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, não medem esforços para manter o mínimo da sensação de segurança esperada pela comunidade. Muitos trabalham sem receber em dia seus proventos como é justo, pois é um direito que também está incutido na Constituição.

Mesmo assim ainda fazem sua parte, prisões são realizadas, e muitas, chegam a manter policiais e viaturas em delegacias para custodiar os presos, pois não há mais lugar nos presídios, nem nas delegacias, nem há viaturas suficientes para o cárcere.

Neste sentido expandiram-se as políticas de segurança privada, pois a violência urbana e as dificuldades para sua prevenção e controle por parte dos órgãos estatais, levou a um significativo crescimento dessas atividades, como uma forma para a preservação da incolumidade das pessoas e do patrimônio. Considerando que a segurança pública não atende a interesses pessoais ou particulares, e sim à sociedade como um todo, e aqueles que detêm melhores condições econômicas buscam a segurança privada para fazê-lo.

Os profissionais da segurança privada passaram a labutar lado a lado com os agentes da segurança pública, pois a segurança privada se caracteriza como subsidiária e complementar à segurança pública, sendo uma atividade regulada, autorizada e fiscalizada, em todo território nacional, e desenvolvida por empresas especializadas em segurança, com emprego de profissionais devidamente capacitados, denominados vigilantes, destinados a inibir ou impedir atos contra as pessoas e o patrimônio, assim ganhamos novos aliados na batalha contra o crime.

 

Leia Também Intervenção psicopedagógica em crianças com dificuldades de aprendizagem Uma sociedade doente! Graças à bateria estragada Doenças psicossomáticas