Canudinho Plástico: Um problema que pode chegar ao fim

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe

Diversas ações estão nascendo e se multiplicando com o objetivo de minimizar impactos negativos, causados pela poluição plástica. O Rio de Janeiro foi a primeira capital a proibir o uso do canudinho plástico, uma iniciativa que ganhou o apoio de vários adeptos e que vem sendo replicada por municípios, através da elaboração de projetos e leis proibindo o uso desse material, orientando como alternativas o uso de canudos biodegradáveis.

Conforme campanha realizada por alguns artistas, "Estima-se que cerca de um bilhão de canudos são descartados todos os dias no mundo", diz Mateus Solano em uma delas. "Quando descartados no meio ambiente levam 450 anos para se decompor", fala Fabiana Karla. "E eles ficam, em média, cinco minutos na nossa boca", completa Nathalia Dill.

Os danos ambientais causados somente pelos canudos são imensuráveis. Imagens já registraram tartarugas marinhas sendo resgatadas com o objeto dentro das vias respiratórias, além de animais como, mamíferos, aves e peixes com o estômago tomado de plástico.

A sociedade como um todo  é responsável pela poluição plástica, sendo da mesma forma,  com ações voltadas a sustentabilidade e conscientização ambiental, responsável pela melhoria do meio ambiente. Nesse sentido, ações que proíbam o uso de mateiras que vem poluindo nossos rios, oceanos, nosso alimento, a água que bebemos, causando danos tanto a toda biodiversidade como a saúde humana, são fundamentais.

Em Passo Fundo, alguns estabelecimentos comerciais já estão aderindo a essa iniciativa e tirando o canudinho de ação, sem força de lei ou multa. Exemplos que confirmam que a educação somada à conscientização ambiental é fundamental para mudar cenários, em busca da sustentabilidade ambiental.

 

Leia Também Homenagem a clubes da cidade gera polêmica A mais equilibrada Série Prata dos últimos anos O que evitar quando há retenção de líquidos? ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA