Acende-se o fogo da tradição

Postado por: Isadora Fochi

Compartilhe

No último fim de semana, foi acesa, pela septuagésima primeira vez, a querida Chama Crioula, marco inicial dos festejos farroupilha, às margens do Rio Uruguai, no município de Irai, 28ª Região Tradicionalista. Desde 1947 a chama vêm sendo acesa em nosso estado, o fogo dela simboliza, entre muitos outros aspectos, a coragem, a força, o orgulho e a honra em ser gaúcho e fazer parte da história deste chão.

Costume já no calendário anual dos tradicionalistas, o acendimento da chama também é um modo de voltar aos primórdios do nosso movimento, quando na extinção do fogo da Pira da Pátria, Paixão Cortes retirou a centelha que deu início à esse movimento, e também à primeira Chama Crioula, que ardeu nos saguões do Colégio Júlio de Castilhos até o dia 20 de Setembro do mesmo ano. Historicamente, o fogo por si só, foi sinônimo de força, vigor, e isso encontra-se representado naquele que arde em inúmeros candeeiros que hoje estão sendo distribuídos pelo Rio grande do Sul.

Juntamente com o acendimento, houve a distribuição para as 30 regiões do Rio Grande do Sul, mais a 40ª região que abrange entidades fora dos limites do estado. Nesse ato, dispersa-se a Chama Crioula para os quatro cantos do estado, sendo a mesma, muito bem conduzida para suas regiões por diferentes grupos de cavaleiros. Dessa forma, espalha-se pelo Rio grande a chama que há de arder e aquecer os corações dos milhares de gaúchos deste chão. O ponta pé inicial para os Festejos farroupilhas, que encontram seu pico no mês de Setembro, já foi dado, e partir de agora os corações gaúcho pulsam mais acelerados.

Leia Também 560 mil quilômetros de histórias e contando Negócios da área da saúde e a preocupação ambiental Declaração Universal dos Direitos Humanos As saídas temporárias dos presos