Desfile dos campeões sob chuva na Expointer

Compartilhe

O desfile dos grandes campeões é um dos pontos altos da Expointer. A chuva tirou um pouco do brilho do evento, mas não dos animais nem dos expositores, como lembrou o secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Odacir Klein: "Eu vou falar pouco porque quem merece o nosso respeito está lá embaixo pegando chuva. Animais, criadores, peões, cabanheiros, veterinários. Esse desfile é o resultado da dedicação de todos vocês. Parabéns e obrigada a todos que concorreram", disse. Entre as autoridades, também estavam o vice-governador José Paulo Cairoli e o secretário do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Tarcisio Minetto.

Cerca de 130 animais passaram pela pista central com suas rosetas e faixas de campeões. Foram diversas raças de aves, coelhos, ovinos, bovinos de corte e de leite, zebuínos e equinos. Todos passaram pelos julgamentos que ocorreram desde o primeiro dia da feira. "É a coroação de um trabalho de décadas, de investimento em melhoramento genético. Essa premiação vale como uma ferramenta de marketing, um diferencial de qualidade. É uma valorização inclusive financeira para a cabanha, porque o valor de mercado de um campeão e da linhagem dele aumenta bastante", explica o chefe do serviço de exposições e feiras da Seapi, José Arthur Martins.


Cerca de 130 animais passaram pela pista central com rosetas e faixas de campeões - Foto: Dani Barcellos/Palácio Piratini

Entre os premiados, estava a vaca 266 Damasco, que ganhou o concurso leiteiro do Gado Holandês, produzindo 76,59 quilos de leite. Os criadores - o pai e dois filhos - estavam orgulhosos e felizes. "Começamos do nada, há 17 anos, e fomos trabalhando dia e noite. É um animal da nossa propriedade, não foi comprado. A gente viu a mãe e a avó dela nascerem. Então, cuidamos dela com todo o carinho. Isso envolve genética, dieta, sanidade, tudo tem que estar funcionando pra dar um bom resultado. É bonito ter esse reconhecimento", conta Diogo Ferraboli, produtor de leite de Anta Gorda.

A continuidade da linhagem campeã está garantida: Damasco, que tem cinco anos, está prenha. Por causa da roseta da mãe, o filhote já vai nascer com o passe valorizado.


Créditos: Divulgação Expointer

Leia Também Feirantes devem se adequar às novas regras de comercialização de hortifrutigranjeiros Prefeitura de Ernestina conclui obra da ponte em Encruzilhada Müller Planalto News no encontro de sementes crioulas e produtos orgânicos em Dois Lajeados Agricultores visitam a Rádio Planalto na madrugada