Maioria dos eleitores é contra misturar religião com política

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

A discussão levantada pelo TSE de proibir campanha política em templos religiosos tem o apoio da maioria da população. Particularmente sou contra pastores e padres concorrerem a cargos eletivos, ou se tem fé para trabalhar verdadeiramente pela obra, sem segundas intenções, ou não tem. Importante frisar que a regra tem que valer para todas as religiões, Católica, evangélica, espírita, umbanda, enfim todas as religiões tem que seguir o mesmo regulamento e não se pode discriminar, principalmente querendo prejudicar diretamente candidatos ligados a uma única religião.

 

Brasil precisa acabar com hipocrisia e monopólio na comunicação

Todos sabem que tem uma rede de televisão que há muitos anos comanda vários setores do país. De forma covarde e hipócrita esta rede atua nos bastidores e de forma subliminar através de seus programas, principalmente novelas, com a clara intenção de influenciar comportamentos e posicionamento sobre temas polêmicos, como por exemplo, identidade sexual e constituição da família. Este canal aos poucos vem destruindo valores que formaram a sociedade até aqui e colocando na cabeça das pessoas, principalmente crianças e adolescentes ainda em formação e adultos ingênuos de que o que era certo ante é errado hoje e quem pensa ao contrário é atrasado, conservador, machista, intolerante e tantos outros adjetivos. Tomara que o próximo presidente da república tenha coragem de acabar com isso e parar de entregar, de mãos beijadas, milhões de reais do dinheiro público para financiar esse monopólio.

 

Monitoramento eletrônico tem que vir para reforçar a segurança

Avança na cidade o projeto para instalação de câmeras de vídeo monitoramento nas vias e espaços públicos. Esse investimento é imprescindível para que os órgãos de segurança possam prestar um serviço ainda mais eficiente à população, porém por si só, não resolve nada. É preciso a presença física de vigilantes e policiais nos locais. Não vai adiantar colocar câmeras e retirar o vigilante ou policial do local onde tem câmeras, pois as funções são diferentes, enquanto a câmera serve mais para o trabalho de investigação, identificação de criminosos, a presença física é preventiva por inibir a ação dos mal intencionados. Trocar um pelo outro não vai significar ganho real e sim apenas uma ilusão que estaremos mais protegidos. Especialmente com relação aos vigilantes existe um temor que com as câmeras muitos postos sejam cortados.  

 

Dizem por aí... Que o povo não vai aceitar que os vigilantes sejam trocados por câmeras de monitoramento. Será verdade?

Leia Também Linda ou ridícula? Muito obrigado Dom Urbano! O respeito à propriedade alheia CNBB: qual a nossa missão?