O Espírito Natalino

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

Utilizar um blog da Fundação Cultural Planalto para explicar ou justificar o Espírito Natalino aos olhos de um cristão, perante uma equipe de colegas tão qualificados, é uma tarefa difícil. Por isso não vou me ater aos fatos evangelizadores, ainda que já o sejam na medida em que o cristianismo é resplandecente.

Viver o Espírito do Natal somente nestes dias que antecedem a grande Festa Cristã é fácil. Difícil é desdobrar e praticar todos os dias do ano. O Espírito Natalino deve prevalecer não somente quando a criança escreve uma cartinha para o Papai Noel pedindo uma bicicleta, uma boa, um computador usado. Mas sim quando vemos, nas ruas da cidade, elas acompanhadas pelos pais a reviverem os cestos de lixo em busca de algo para comer, ou, ainda que infelizmente, nas sinaleiras pedindo “um troquinho”, que geralmente vão para a cachaça do pai ou o cigarro da mãe.

O Espírito Natalino também deveria se manifestar quando você ajuda (mesmo?) um idoso ou deficiente a atravessar a rua, quando para na faixa de segurança para um pedestre passar, quando você pedestre, ao perceber que um carro parou para você atravessar a faixa, apressa o passo. Isso também é solidário. São nos pequenos gestos, nos “muito obrigado”, “boa tarde”, “boa noite”, “bom dia”, “disponha” que se vive a paz de espírito, a solidariedade, o ensinamento de Jesus.

O Natal e o seu espírito de compreensão, solidário, poderia se espalhar pelas repartições públicas e arrancar sorrisos dos atendentes, solicitude dos atendidos. Deveria estrapolar e terminar com as filas nos centros de atendimento de saúde, na especulação ilícita do erário público (é uma forma diferente de escrever corrupção). Poderia deixar os políticos de boa vontade com mais vergonha e sensatez.

Queria isso todos os dias. Queria este Natal todos os dias. É muito difícil?

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito