Os cristãos e a politica

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

A participação política é um direito de todo o cidadão. É também uma exigência do agir cristão, sobretudo porque a política é uma forma de exercitar a caridade em vista do bem comum. O Papa Francisco tem insistido a para que todos os cristãos se envolvam na vida política. Afirma: a política é demasiado suja, mas é suja porque os cristãos não se implicaram com o espírito evangélico. É fácil atirar culpas..., mas eu, que faço? Trabalhar para o bem comum é dever de cristão.

Esta reflexão é necessária devido ao contexto atual, marcado pelas tensões próprias do período pré-eleitoral.

O debate eleitoral está acontecendo e devemos compreendê-lo como oportunidade de darmos a nossa contribuição para que o Brasil seja melhor para todos e não apenas para alguns.  Não esqueçamos a tradição elitista do nosso país, enraizada na ideia de um Estado posto a serviço de uma minoria, em detrimento da maioria da população. Superar esta compreensão equivocada, explicitada com maior ou menor ênfase, é também tarefa do agir político. É uma questão de cidadania. O compromisso com a justiça social é, antes de tudo, um princípio cristão que exige a coragem de corrigirmos os erros que vem se sucedendo ao longo da história. A doutrina social da Igreja evidencia que o bem comum não é o bem de um determinado grupo social, mas de todos os habitantes de um território, denominado nação.

Debater sobre as candidaturas e as diferentes propostas defendidas na campanha eleitoral em pauta é exercitar o direito político, próprio dos regimes democráticos. Estejamos atentos às propostas dos diferentes candidatos.  Sobre isso o Papa Francisco referiu-se ao falar aos políticos latino americanos em dezembro de 2017: Há necessidade de políticos que vivam com paixão o serviço aos seus povos, solidários com seus sofrimentos e esperanças; políticos que anteponham o bem comum aos interesses privados, que sejam abertos a ouvir e aprender no diálogo democrático, que conjuguem a busca da justiça com a misericórdia e a reconciliação.

Conversemos sobre política agora e tenhamos a coragem de conversarmos depois das eleições, pois pensar o bem do Brasil não é uma tarefa de acontece de quatro em quatro anos, mas tarefa de todos os dias. Sobretudo, conversemos iluminados pela proposta de Jesus que nos chega pelo Evangelho.

Leia Também Não incide IOF sobre fluxo financeiro em participação em sociedade “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz” Solução para o atraso Eleição Presidencial: A ecologia não é questão secundária!