Vereadores querem esclarecer razões de desativação do poço artesiano do Hospital Municipal

Compartilhe

Durante reunião da Comissão de Patrimônio e de Desenvolvimento Urbano e do Interior (CPDUI), os vereadores receberam um relatório sobre a desativação do poço artesiano que abastece o Hospital Municipal Dr. César Santos. A Secretaria de Planejamento (Seplan) atendeu ao pedido de informações dos vereadores Claudio Rufa Soldá (PP) e Luiz Miguel Scheis (PDT), que querem saber o consumo mensal de água, o gasto atual com a análise e tratamento e o valor que vai ser investido no tamponamento.

Desde os anos 80, o hospital usava um poço artesiano como fonte e mantinha uma central própria para tratar a água. Mas, com as reformas, o atual poço vai ter de ser desativado, pois está numa área abrangida no projeto de reformas. Como a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) não permite que seja perfurado um novo poço artesiano, a saída será recorrer à água distribuída pela Corsan para abastecer o hospital, medida que, por conta dos custos, causa preocupação por parte do Legislativo.

O representante do município, convidado para prestar informações, não compareceu à reunião. A Comissão, agora, fará uma análise dos documentos enviados pela Prefeitura.


Foto: Comunicação/Câmara de vereadores

Leia Também Lula pode ganhar o prêmio Nobel da Paz Previdência será justa para todos, afirma Bolsonaro Seis proposições desarquivadas por vereadores de Passo Fundo Patric pede apuração sobre apropriação de salários dos servidores por parte de vereadores