Vereadores querem esclarecer razões de desativação do poço artesiano do Hospital Municipal

Compartilhe

Durante reunião da Comissão de Patrimônio e de Desenvolvimento Urbano e do Interior (CPDUI), os vereadores receberam um relatório sobre a desativação do poço artesiano que abastece o Hospital Municipal Dr. César Santos. A Secretaria de Planejamento (Seplan) atendeu ao pedido de informações dos vereadores Claudio Rufa Soldá (PP) e Luiz Miguel Scheis (PDT), que querem saber o consumo mensal de água, o gasto atual com a análise e tratamento e o valor que vai ser investido no tamponamento.

Desde os anos 80, o hospital usava um poço artesiano como fonte e mantinha uma central própria para tratar a água. Mas, com as reformas, o atual poço vai ter de ser desativado, pois está numa área abrangida no projeto de reformas. Como a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) não permite que seja perfurado um novo poço artesiano, a saída será recorrer à água distribuída pela Corsan para abastecer o hospital, medida que, por conta dos custos, causa preocupação por parte do Legislativo.

O representante do município, convidado para prestar informações, não compareceu à reunião. A Comissão, agora, fará uma análise dos documentos enviados pela Prefeitura.


Foto: Comunicação/Câmara de vereadores

Leia Também Haddad e partido de Ciro vão à Justiça para cassar chapa de Bolsonaro Vereadores discutem mudanças no regimento interno Ibope divulga pesquisa para segundo turno do RS Vereador Paulo Neckle demonstra preocupação com a saúde local