Em ação popular, AGU defende segurança das urnas eletrônicas

Compartilhe
Arquivo/Agência Brasil   Arquivo/Agência Brasil 

Uma série de testes públicos de segurança e auditorias feitas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em equipamentos sorteados aleatoriamente garantem a segurança da urna eletrônica, afirmou a Advocacia-geral da União (AGU) em parecer anexado a uma ação popular que tramita na Justiça de Goiás.

Na ação popular, pretendia-se que fosse expedido mandado de busca e apreensão para que o Exército recolhesse urnas eletrônicas utilizadas no primeiro turno, com o objetivo de que fossem realizadas auditorias e que o atual sistema de votação fosse declarado inválido.

Além de afirmar que o procedimento é desnecessário, a AGU destacou que mesmo que o fosse, essa não seria uma atribuição prevista na Constituição para as Forças Armadas, cuja mobilização cabe exclusivamente ao presidente da República. A apreensão de urnas utilizadas no processo produziria “tumulto e incerteza”, afirmou o órgão.

Para a AGU, a urna eletrônica "utiliza o que há de mais moderno em termos de tecnologia, em termos da segurança da informação, para garantir a integridade, autenticidade e sigilo do voto".

O órgão pede que a ação seja extinta ou encaminhado à Justiça Eleitoral.

*com informações da Agência Brasil

Leia Também Abertas as inscrições do concurso da Aeronáutica com 227 vagas para curso de formação de sargentos Bebida adulterada mata 93 pessoas na Índia Manifestantes protestam na Venezuela após fechamento de fronteira com a Colômbia Em viagem, empresário descobre que funcionário é o irmão perdido há 31 anos