Força política de Passo Fundo fica estagnada

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Perdemos um deputado estadual, Juliano Roso e ganhamos outro Mateus Wesp, que somado ao deputado Capoani, reeleito, irão representar Passo Fundo a partir de 2019 na Assembleia Legislativa. Como diz o ditado, “ficou elas por elas” na representação estadual. Passo Fundo tem contingente eleitoral para muito mais, entretanto a simpatia por candidatos de outra região prevaleceu. Com relação a deputado federal foi ainda mais decepcionante o nosso desempenho. Nenhum candidato da cidade chegou perto, ou seja, ficamos sem representação na Câmara dos Deputados em Brasília e vamos continuar dependendo da boa vontade de representantes de outras regiões.

 

Senador de Passo Fundo

Em compensação um filho da nossa terra se elegeu Senador da República, pena que é pelo Estado de Sergipe. Alessandro Vieira (REDE) fez mais de 474 mil votos. Delegado de polícia que combate o crime e a corrupção, saiu com a família há bastante tempo daqui, ainda nos anos 80. De qualquer forma não deixa de ser um orgulho para Passo Fundo ter um Senador. Nossos parabéns ao eleito, seus familiares e a torcida que seja um ator importante no cenário político do Brasil, para mudar essa pouca vergonha instalada nas ultimas décadas.

 

Políticos tradicionais estão saindo da vitrine e entrando para a história

Nesta eleição, os eleitores de Passo Fundo deram um adeus a mais uma figura importante da nossa política. O ex-prefeito Airton Dipp não obteve sequer uma votação razoável, pelo que representou para a cidade e assim como Carrion, Osvaldo Gomes e outros tantos, deve, a partir de agora, ficar mais na história como alguém que fez muito por Passo Fundo, mas que a população preteriu para dar oportunidade aos novos.

 

Dizem por aí... Que Mateus Wesp surge como o grande político em ascensão de Passo Fundo e que em breve será prefeito ou deputado federal. Será verdade?

 


Leia Também Vêm aí momentos ainda mais difíceis para o funcionalismo do Estado Bolsonaro deve ou não desfilar em carro aberto? População quer mais humanização no atendimento médico Concessões e privatizações para salvar o Estado