Aprovado projeto que prevê regularização de terrenos em descompasso com o Plano Diretor

Compartilhe

O Projeto de Lei Complementar (PLC) que modifica o processo de regularização de obras foi aprovado pelo Legislativo na tarde desta quarta-feira (10). A matéria, encaminhada pelo Executivo em regime de urgência, permite que proprietários de imóveis edificados até 31 de julho de 2018 ou que estejam em fase de finalização recebam o aval da Prefeitura.

Durante a Sessão, o presidente da Câmara, Pedro Daneli (PPS), esclareceu que a proposição traz a oportunidade para que as pessoas que fizeram construções em descompasso com o Plano Diretor e o Código de Obras possam estar dentro da lei. “Em se tratando de residências, a regularização é fundamental para que os proprietários possam, por exemplo, vendê-las. No caso das empresas, a legalização autoriza o funcionamento das atividades”, exemplificou.

Poderão ser regularizadas as edificações que não estejam localizadas sobre passeios, ruas e imóveis públicos ou em áreas destinadas ao alargamento viário e que respeitem as legislações de acessibilidade quanto às calçadas. Não serão regulamentadas as que estiverem em Áreas de Proteção Permanente (APP) ou em locais de risco, loteamentos clandestinos e ocupações. Também não serão regularizadas as que invadirem espaços utilizados para a proteção de rodovias, redes de água, esgoto e para a linhas elétricas de fios de alta tensão.

Para a regularização, os proprietários devem apresentar um laudo técnico favorável, a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) ou o Registro de Responsabilidade Técnica (RRT), a planta de situação e localização e a certidão do número do imóvel e o projeto arquitetônico. A certidão negativa de tributos municipais também será documento essencial.

Ainda, aqueles que procurarem estar dentro da legislação terão de efetuar um pagamento ao Município, descrito como uma contrapartida financeira. O valor será calculado a partir de uma relação entre a área irregular e um coeficiente financeiro, que varia de acordo com o tipo e a finalidade da edificação.

Como justifica o líder do governo na Casa, Alex Necker (PCdoB), os recursos recebidos pela Prefeitura serão destinados ao Fundo Municipal de Habitação e Interesse Social. “Dessa forma, além de beneficiar as famílias que buscam a regularização de suas residências, a proposta impacta num incremento às ações habitacionais”, disse.

Após a sanção da lei, os proprietários que desejarem atender à legislação terão 360 dias para buscar o órgão municipal competente.

Leia Também Meirelles será secretário da Fazenda em São Paulo Vereadores aprovam projeto que extingue funções gratificadas na Prefeitura Prefeito Luciano Azevedo pede licença do PSB Área pública é cedida mais uma vez à Associação dos Permissionários de Táxi