Estado falha e municípios pagam a conta da saúde

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

O fechamento parcial da emergência do Hospital São Vicente escancara uma crise que estamos vivendo na área da saúde. Não é de agora e nem pela decisão do hospital, o povo está sofrendo há muito tempo. Muitas vidas que poderiam ser salvas estão sendo perdidas por não termos o mínimo de atendimento eficiente nesta área. Os municípios, na sua maioria têm feito a sua parte, como o caso de Passo Fundo, onde a prefeitura oferece unidades de saúde exemplares e faz toda a força para contratar médicos, que realmente queiram trabalhar, mas muitas vezes não depende da Secretaria Municipal de Saúde. Com todo o respeito, mas é difícil de lidar com alguns médicos, trabalham como querem, atendem como querem e não contribuem em nada para amenizar o problema.

 

Programas do Governo Federal precisa sair do papel

Como as consultas e exames vêm tudo do Estado, os municípios apenas operam, a falha maior está nos governos estadual e federal, mas a população não quer saber desta divisão e cobra do município que é a ponta quem tem que prestar o serviço. Estamos na véspera de uma eleição decisiva para o país e vamos torcer que, ganhe quem ganhar, que olhem com mais comprometimento e dedicação para esta área, precisamos de mais consultas, mais exames, mais médicos, mais retorno dos impostos que são pagos que vão embora e depois retornam como esmolas para os municípios. Enquanto continuar assim o sistema os problemas irão continuar, salvo que algum prefeito consiga fazer mágica com tão poucos recursos.

 

Estender o horário dos Cais

Apesar das dificuldades financeiras e de recursos humanos, uma coisa que o município deve fazer um esforço e colocar em prática é estender o horário de alguma unidade de saúde. Aqui em Passo Fundo temos vários Cais, se escolhe o que for melhor estrategicamente e estende o horário no mínimo até às 22 horas. Com isso as emergências dos hospitais respiram um pouco.  É possível fazer e com certeza daria uma melhora significativa ao atendimento. Além disso, precisa a população também se conscientizar e não correr para os hospitais por qualquer coisa. Consultas tem que ser nas unidades de saúde, deixando para os hospitais os casos mais graves e de necessidade de internação. Creio que muitas pessoas entendem isso não fazem por falta de informação e orientação, por isso, essa medida de fechar a emergência vale até para chamar a atenção de todos da população, mas também do poder público.

 

Dizem por aí... Que as eleições já estão definidas e que Bolsonaro será o próximo presidente do Brasil e Leite o próximo governador do Rio Grande do Sul. Será verdade?

Leia Também Marta e Maria Curiosidades sobre o Fusca Como fica o Congresso após a aprovação da Reforma da Previdência? Com sapato ou sem sapato