A primeira vez a gente nunca esquece

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Ontem recordei minha primeira vez. Veio à tona sem uma razão definida, sem um motivo aparente. Só lembrei.

Eu era muito novo, muito mesmo. Estava na casa da minha avó, junto com primos, primas, tios e tias.

Era uma noite quente, estrelada, típica noite de verão. A criançada agitada, correndo e gritando. Os adultos conversando, rindo, comendo e bebendo. Talvez fosse final de ano, alguma festa.

Foi numa kombi corujinha já bem judiada. O assoalho do salão tinha buracos por onde se podiam ver as pedras do  calçamento e eu achei o máximo entrar pelas portas laterais, ficar em pé e até andar de um lado para outro dentro de um carro. 

Eu havia esquecido, mas ontem lembrei. Foi numa kombi a primeira vez. 

A primeira vez que andei em um VW a ar.

Na kombi do tio Valdecir, que para  dar uma volta e namorar com a tia Inês tinha que levar todos os sobrinhos passear pela cidade. Sorte que era uma kombi e não um fusca!

Foi na kombi do hoje compadre Vavá que nasceu, talvez, minha paixão pela ferrugem, pelos carros antigos e pelos VW a ar.

Um abraço compadre Vavá! Um abraço tia Inês! Muita saúde e obrigado!

Leia Também Concessões e privatizações para salvar o Estado Economia versus política Utilização de águas de reuso O Fusca e o padre